Ditadura Comunista Venezuelana Começa a Sentir Pressão do Governo Trump

044


por paulo eneas e emma sarpentier
A Venezuela sofre a maior crise econômica e social de toda sua história, causada por anos de políticas socialistas que destruíram a economia do país e resultaram em uma completa desagregação de seu tecido social. No entanto, na esfera política tem-se de um lado um regime de ditadura socialista ligado ao narcotráfico, e de outro uma suposta oposição de viés social-democrata ocupada unicamente com cálculos eleitorais, e cujo horizonte limita-se a promover reformas e melhorias no regime socialista.

Mas a despeito desses impasse políticos interno, o regime começou a sentir pressão com a chegada de Donald Trump à Casa Branca. As mudanças na orientação política e diplomática do governo americano em relação à Venezuela começaram a ser percebidas logo nos primeiros dias da nova administração da Casa Branca, quando a ditadura narco-comunista venezuelana solicitou ao novo governo americano que revogasse a medida que classifica a Venezuela como uma ameaça aos Estados Unidos.

Em resposta a esse pedido, o governo americano aumentou as pressões contra o vice-presidente venezuelano Tarek El Aissami, pois os serviços norte-americanos de inteligência e de combate ao narcotráfico têm evidências o bastante das ligações do vice-presidente venezuelano com o tráfico internacional de drogas. As evidências apontam que o tráfico internacional de drogas e a lavagem de dinheiro estão diretamente relacionadas à violência política do regime de ditadura socialista venezuelana.

O chavismo, versão latino-americana do movimento comunista internacional engendrado no Foro de São Paulo e estritamente ligado ao narcotráfico, transformou a Venezuela em um narco-estado, fato seguramente sabido pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos. Um narco-estado socialista que reduziu o país à pobreza e à miséria, transformando a Venezuela no país mais pobre e violento do continente latino-americano.

O governo de Donald Trump já definiu o regime chavista venezuelano como sendo um regime autoritário, devido à falta de liberdade política, a repressão e prisão de opositores, e a falta de independência dos poderes legislativo e judiciário.

Se o governo americano mantiver essa orientação política e diplomática em relação à ditadura narco-socialista venezuelana, cumprindo assim uma das promessas de campanha de Donald Trump, o regime chavista poderá no médio prazo não resistir à pressão. E dessa forma possivelmente os venezuelanos poderão conseguir aquilo que até agora não conseguiram em mais de dez anos de mobilizações de rua: pôr um fim a uma ditadura narco-socialista que arruinou o país.

Emma Sarpentier é correspondente do Crítica Nacional em Caracas.

#CriticaNacional #TrueNews


 

3 comments

    1. Os americanos tem de toneladas de pressão pra despejar na cabeça do Maduro. Enquanto isso aqui no Brasil o povo que vá tirando esta cambada do poder para que também não precisemos da ajuda do TRUMP. Vai ficar muito feio para as FFAAs ver o TRUMP fazer o serviço que é obrigação dos militares.

Comentários