A Disputa Presidencial & O Posicionamento da Grande Imprensa

128


por paulo eneas
Ninguém é menos preparado e menos qualificado para falar da grande imprensa do que ela mesma. Em uma série de notas publicadas nessa terça-feira, o blog O Antagonista evidencia que já embarcou na campanha presidencial de João Doria. Ao falar da Folha de São Paulo, o blog diz que Doria terá contra ele a chamada “velha imprensa” e cita como exemplo o fato de o jornal trazer matérias e reportagens contra o candidato socialdemocrata tucano.

Portanto, sob a ótica conveniente de O Antagonista, João Doria representaria o novo na política e por isso terá o apoio, velado ou explícito, do portal. Enquanto que a chamada “velha imprensa” irá hostilizar esta novidade representada por João Doria. Uma análise simples, da qual um leitor mais desatento não discordaria em um primeiro momento.

No entanto, nada poderia ser mais falso. Em primeiro lugar, não existe “velha imprensa” ou “nova imprensa”. Existe uma grande imprensa, da qual O Antagonista faz parte, e que é sempre alinhada com uma pauta e uma agenda de esquerda. Eventuais dissensões e discordâncias no escopo da grande imprensa refletem apenas disputas de poder de per se, e não diferenças fundamentais de natureza ideológica.

O próprio blog se opôs ferrenhamente à candidatura de João Doria nas prévias tucanas para as eleições municipais do ano passado, uma vez que seus editores estavam alinhados com o pré-candidato ligado ao grupo de Fernando Henrique Cardoso. Tratava-se de uma disputa de poder interna ao tucanato, e não grandes diferenças de natureza politico-ideológica, como mostram agora a facilidade e a leveza com que o blog se alinha à candidatura do prefeito paulistano.

Enfatizemos que não existe nova ou velha imprensa: existe a grande imprensa que faz alinhamentos em conformidade com a esquerda globalista, uma grande imprensa que escolhe seus candidatos. A grande imprensa, incluindo o blog em questão, em tempos recentes escolheu Hillary Clinton, depois escolheu Emmanuel Macron, não sem antes escolher se posicionar contra o Brexit e contra Geert Wilders nas eleições holandesas. Nas eleições brasileiras do ano que vem, a grande imprensa manterá essa coerência de escolhas, e já optou por João Doria.

Claro que assistiremos ainda por um período alguns resmungos e alfinetadas de alguns jornalistas contra o candidato tucano. Irá se tratar apenas de resmungos de petistas de redações e que não irão durar muito tempo pois, como já dissemos em artigos anteriores, o petismo já foi descartado pela esquerda e sua única serventia é ser espantalho para vertente socialdemocrata da esquerda poder bater. E ela fará isso com os aplausos de toda a grande imprensa, seja ela supostamente nova ou supostamente velha.

#CriticaNacional #TrueNews


 

6 comments

  1. João Doria Jr. representa a VELHA política, isso sim. É evidente que a grande mídia já o apóia, afinal, é o único candidato (além do Luciano Huck hahahaha) que pode salvar a esquerda. Queremos, dessa vez, um verdadeiro candidato de Direita, e não um simulacro globalista.

  2. Dória não é de direita e nem de esquerda socialista como o PT. Dória é da esquerda politicamente correta globalista. A esquerda dissimulada. Ele apoiou Hillary Clinton nos EUA que se fosse eleita iria acabar a obra de Obama(esquerda politicamente correta globalista também) de destruir os EUA. Por isso é que ele é filiado ao PSDB. De vez em quando ele toma alguma medida que parece ser de direita só para disfarçar e conquistar o voto anti-PT que é enorme no Brasil.Ele nunca me enganou e quando disse que apoiava Hillary confirmou o que eu já imaginava.Paulo Eneas está correto. A imprensa vai dar uma resmungada, uma torcida de boca mas vai apoiá-lo, pois do outro lado vai estar o pavor de toda a imprensa nacional e com chances de ser eleito. Um militar na presidência do Brasil: Bolsonaro.

  3. Creio que João Dória não seja de esquerda, pois o mesmo defende a destatização do Estado, defende o estado mínimo, defende o livre comércio, contra o aborto, a favor família homem e mulher, a favor da posse de arma p cidadão de bem. discordando só de vocês, eu quando analisei as propostas de Marine Le Pen, constatei que ela é uma nacional-socialista e não da ala direita.

    1. O João Dória é de esquerda ele mesmo já disse várias vezes. Essa desestatização é nada mais que a formação de carteis e monopólio, tanto que quando ele teve a oportunidade de ajudar o UBER ele foi lá e aumentou imposto e atrapalhou a empresa. Um dos pontos que o definem como esquerdista é o apoio ao desarmamento do povo, enquanto o mesmo está rodeado de seguranças armados. Fora a mancada do mesmo com o MBL que nada mais é que um JPSDB, mas que tem como bandeira o escola sem partido, um vereador do MBL foi dentro da lei investigar doutrinação. O secretário de educação com um pé no PSOL ficou contra advinha quem o Dória bancou??? O secretário esquerdista, assim deixando o MBL com cara de palhaço.

    2. Desinformação.

      Ou você tem dificuldades cognitivas de ver, e ler, as próprias declarações do Dória em sites e entrevistas disponíveis na internet, a todos, ou é mais um fanfarrão pago para difundir a popular desinformação.

      Neoliberalismo foi sempre uma bandeira defendida, ou transvestida, pela social-democracia. Se é que liberalismo pode ou pode algum dia conviver com aocialismo e centralização de poder.

Comentários