por angelica ca
O órgão de vigilância da saúde espanhol, AEMPS, disse que não vê razão para interromper o uso da hidroxicloroquina (HCQ) no tratamento de pacientes com vírus chinês.

Segundo o órgão, o artigo publicado pela revista Lancet, que alertou sobre supostos riscos à saúde associados ao HCQ, não era conclusivo o suficiente para parar de testá-lo em hospitais espanhóis. “É um estudo observacional, não um ensaio clínico” , por isso não permite obter evidências sólidas e incontestadas, pois há muitos fatores que influenciam esses estudos que podem fazer que eles não são totalmente confiáveis ??”, explicou um porta-voz da AEMPS.

Pelo contrário, na quarta-feira (27/05), o Ministério da Saúde da França cancelou um decreto em vigor por quase dois meses, que permitia aos médicos do hospital dispensá-lo em situações específicas para a Covid-19.

O medicamento foi amplamente prescrito na Espanha para tratamento em pacientes com o vírus chinês, com o país sofrendo um dos piores surtos da doença na Europa. Segundo o El Pais, 85% dos pacientes levados ao hospital com o vírus receberam o medicamento.

“Também não recebemos nenhum alerta de segurança; portanto, de acordo com as sociedades científicas, não consideramos que haja motivos para interromper a pesquisa em andamento ou parar de usar a droga como tratamento experimental”, acrescenta o porta-voz. Com informações de El Pais