por angelica ca
O Departamento de Justiça americano processou uma empresa chinesa por vender quase meio milhão de máscaras N95 falsas e abaixo do padrão para os compradores americanos em abril.

Em uma queixa apresentada na semana passada em um tribunal federal no Brooklyn, Nova York, o Departamento de Justiça afirmou que a King Year Packaging and Printing, com sede em Guangdong, enviou três lotes de máscaras N95, necessárias para proteger médicos e outros profissionais de saúde do vírus chinês a compradores dos Estados Unidos.

“As acusações alegadas nesta queixa mostram um flagrante desrespeito à segurança dos cidadãos americanos”, afirmou em comunicado o agente do FBI Douglas Korneski, que investigou a compra das máscaras. “Se não fosse pelas ações da equipe de investigação, esse réu teria colocado socorristas, funcionários de hospitais e outros funcionários da linha de frente diretamente em perigo, com equipamentos defeituosos, apenas para ganhar dinheiro”, completou Douglas Korneski.

De acordo com a denúncia, a empresa chinesa alegou falsamente que as 495.200 máscaras enviadas cumpriram o padrão N95 e também foram certificadas pelo Instituto Nacional de Segurança e Saúde Ocupacional dos Estados Unidos. A denúncia aponta que o importador das máscaras pagou mais de US$ 1 milhão por elas.

A empresa chinesa foi acusada pela Food and Drug Administration (FDA) de importação de produtos de saúde com e sem marca e por falsificação. Cada cobrança acarreta uma multa máxima de US $ 500.000, ou se for maior, duas vezes o que a empresa ganhou com a venda das máscaras.