por angelica ca
A Polícia Federal realizou nesta terça-feira (09/06) com o apoio da Controladoria Geral da União a Operação Cobiça Fatal, para verificar possíveis desvios de recursos públicos federais que seriam usados no enfrentamento do vírus chinês nas cidades de São Luís (MA) e São José do Ribamar (MA).

A operação visa desarticular associação criminosa voltada à fraude em licitações, além de irregularidades contratuais, corrupção ativa e passiva, associação criminosa e lavagem de ativos. Foram empregados 60 policiais federais para o cumprimento de 3 mandados de prisão temporária e 14 mandados de busca e apreensão.

Segundo informações da Polícia Federal, também foram realizados o sequestro de bens e o bloqueio de contas dos investigados no valor de R$ 2,3 milhões. As ordens judiciais foram expedidas pelo juiz da 1ª Vara Federal de São Luís (MA).

A investigação da Polícia Federal apurou indícios de que a Secretaria Municipal de Saúde de São Luiz – Semus, superfaturou na compra de 320 mil máscaras, no valor unitário de R$ 9,90 cada unidade. As investigações apontaram que o preço médio praticado no mercado nacional é de R$ 3,17 por unidade, o que levou a um superfaturamento aproximado de R$ 2,3 milhões.

De acordo com nota da Polícia Federal, os documentos analisados demonstraram que poucos dias antes do processo de dispensa de licitação, a Prefeitura de São Luís, por meio da SEMUS, havia contratado o fornecimento de máscaras do mesmo modelo junto a outra empresa pelo de R$ 2,90 a unidade, cujo total da compra foi de R$ 980 mil, perfazendo a diferença de mais de 341%.

Também estão sendo investigados possíveis fraudes em processos licitatórios dessas empresas revendedoras de insumos hospitalares superfaturado nos municípios de Timbiras e Matinha, no Maranhão.

Sabe-se também que a principal empresa investigada já teria formalizado contratos, após dispensa de licitação, para fornecer insumos para o combate ao COVID-19 com os municípios de Icatu, Cajapió, Lago do Junco e Porto Rico do Maranhão, todos no Maranhão. Com informações da Polícia Federal e Controladoria Geral da União.


Crítica Nacional Notícias: