por paulo eneas
Ninguém é menos preparado e menos qualificado para falar da grande imprensa do que ela mesma. Em uma série de notas publicadas nessa terça-feira, o blog O Antagonista evidencia que já embarcou na campanha presidencial de João Doria. Ao falar da Folha de São Paulo, o blog diz que Doria terá contra ele a chamada “velha imprensa” e cita como exemplo o fato de o jornal trazer matérias e reportagens contra o candidato socialdemocrata tucano. Portanto, sob a ótica conveniente de O Antagonista, João Doria representaria o novo na política e por isso terá o apoio, velado ou explícito, do portal. Enquanto que a chamada “velha imprensa” irá hostilizar esta novidade representada por João Doria. Uma análise simples, da qual um leitor mais desatento não discordaria em um primeiro momento.

No entanto, nada poderia ser mais falso. Em primeiro lugar, não existe “velha imprensa” ou “nova imprensa”. Existe uma grande imprensa, da qual O Antagonista faz parte, e que é sempre alinhada com uma pauta e uma agenda de esquerda. Eventuais dissensões e discordâncias no escopo da grande imprensa refletem apenas disputas de poder de per se, e não diferenças fundamentais de natureza ideológica.

O próprio blog se opôs ferrenhamente à candidatura de João Doria nas prévias tucanas para as eleições municipais do ano passado, uma vez que seus editores estavam alinhados com o pré-candidato ligado ao grupo de Fernando Henrique Cardoso. Tratava-se de uma disputa de poder interna ao tucanato, e não grandes diferenças de natureza politico-ideológica, como mostram agora a facilidade e a leveza com que o blog se alinha à candidatura do prefeito paulistano.

Enfatizemos que não existe nova ou velha imprensa: existe a grande imprensa que faz alinhamentos em conformidade com a esquerda globalista, uma grande imprensa que escolhe seus candidatos. A grande imprensa, incluindo o blog em questão, em tempos recentes escolheu Hillary Clinton, depois escolheu Emmanuel Macron, não sem antes escolher se posicionar contra o Brexit e contra Geert Wilders nas eleições holandesas. Nas eleições brasileiras do ano que vem, a grande imprensa manterá essa coerência de escolhas, e já optou por João Doria.

Claro que assistiremos ainda por um período alguns resmungos e alfinetadas de alguns jornalistas contra o candidato tucano. Irá se tratar apenas de resmungos de petistas de redações e que não irão durar muito tempo pois, como já dissemos em artigos anteriores, o petismo já foi descartado pela esquerda e sua única serventia é ser espantalho para vertente socialdemocrata da esquerda poder bater. E ela fará isso com os aplausos de toda a grande imprensa, seja ela supostamente nova ou supostamente velha.

Publicado Originalmente em 16/05/2017. #CriticaNacional #TrueNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE