Bispo das Filipinas Lamenta Que Terrorismo Jihadista Desperte Sentimentos Anti-Islâmicos

O sucesso da doutrinação ideológica e ocupação de espaços por parte da esquerda no interior da Igreja Católica pode ser medido, infelizmente, pelas declarações recentes do Bispo Edwin de La Peña, prelado do município de Marawi, nas Filipinas. Em uma entrevista dada na semana passada, o bispo lamentou que os recentes ataques terroristas muçulmanos na cidade tenham despertado o que ele chama de sentimentos anti-islâmicos na população.

Os muçulmanos já mataram mais de cem pessoas na cidade e queimaram e destruíram uma Catedral, para em seguida sequestrar seu padre e outras dezenas de pessoas que nela estavam. Estima-se que mais de doze mil famílias abandonaram a cidade devido aos confrontos permanentes entre o exército local e as milícias jihadistas.

Diante dessa realidade que salta aos olhos, era de se esperar que o bispo, que é a autoridade eclesial da cidade pois exerce a função de prelado, saísse em defesa dos cristãos. Mas em vez disso, ele prefere lamentar o fato de que os crimes cometidos pelos jihadistas contra os cristãos em nome de allah possam gerar sentimentos anti-islâmicos, e prejudicar o chamado diálogo inter-religioso entre cristãos e muçulmanos, diálogo esse no qual ele está pessoalmente empenhado.

O bispo afirma ainda na entrevista que, em comparação ao restante do país, as relações entre cristãos e muçulmanos na cidade são as melhores possíveis. Uma afirmação que obviamente representa a absoluta negação da realidade. Assim como se constitui numa negação da realidade a crença num suposto diálogo de muçulmanos com qualquer outra crença religiosa, pois o único diálogo que um muçulmano conhece é aquele em que o interlocutor oferece a cabeça e o muçulmano desembainha a espada.

Com informações de Jihad Watch. #CriticaNacional #TrueNews

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE