por paulo eneas
Ao comentar o atentado terrorista muçulmano que matou oito pessoas ontem em Nova York, o Papa Francisco declarou que o terrorista que cometeu os atos é um lunático homicida que abusa do nome de Deus para semear a morte. A declaração do chefe da Igreja Católica não poderia ser mais infeliz, pois reforça a narrativa globalista mentirosa de que o terrorismo islâmico não tem qualquer relação com o islã em si, pois afinal o islã seria uma suposta religião de paz, e os atos de terror praticado por muçulmanos em nome do deus deles seriam apenas atos isolados de minorias fanáticas radicais, ou simplesmente ações de pessoas lunáticas.

Essa narrativa endossada pelo Papa Francisco é mentirosa, pois ignora a real natureza do islã, que por sua vez não pode ser separada nem é distinta do jihadismo, seja ele sob a forma de terrorismo ou de expansão demográfica. Ao falar do suposto abuso do nome de Deus na prática do terrorismo, Francisco deixa entender que a divindade muçulmana chamada allah, em nome da qual os muçulmanos estão matando pessoas inocentes há catorze séculos, pode ser identificada com Deus, tal como Ele revelou-se aos Patriarcas. Um especialista em teologia poderia facilmente apresentar argumentos teológicos consistentes mostrando que tal identificação é uma heresia.

O que o Papa Francisco deveria saber e reafirmar é que muçulmanos matam pessoas inocentes não por serem lunáticos ou por estarem abusando do nome de Deus. Ao contrário, muçulmanos matam pessoas inocentes e desarmadas, com o consentimento e aprovação silenciosa da maioria dos muçulmanos no mundo todo, em honra ao seu deus (com a primeira letra minúscula, como deve ser), e seguindo os mandamentos de seus escritos supostamente sagrados. Ignorar esse fato já registrado na história ao longo de séculos, é compactuar com uma mentira e com a negação da realidade.

O mesmo Papa Francisco que ignora ou dá a entender que desconhece a real natureza do islã, e procura protegê-lo tentando dissociar o islã do terrorismo, como fazem todos os globalistas e comunistas e seus agentes na grande imprensa, é a mesma autoridade papal que silencia a respeito dos cerca de cem mil cristãos que são mortos anualmente em países de maioria muçulmana pelo fato de serem cristãos.

O fato é que por mais que sejam tomadas medidas de segurança e de contrainformação por parte dos Estados nacionais, o islã continuará a matar pessoas inocentes no mundo ocidental. E continuará a matar porque o mundo islâmico conta com aliados de peso em sua empreitada jihadista, que tem por objetivo destruir a nossa civilização judaico-cristã. E entre estes aliados estão a elite econômica-artística e acadêmica globalista,  a grande imprensa e a cúpula da Igreja Católica. #CriticaNacional #TrueNews


 

COMPARTILHAR

COMENTÁRIO: