por paulo eneas
Em entrevista concedida ontem ao jornal O Estado de São Paulo, o socialista e líder dos tucanos Fernando Henrique Cardoso confessou ter medo de Jair Bolsonaro. O ex-presidente tucano expressou esse medo usando os mesmos argumentos e elementos de análise de seu amigo e camarada e também ex-presidente, Luis Inácio Lula da Silva, para descrever a situação política do país. Ambos usam da mesma falácia de estabelecer um paralelo puramente formal entre a Operação Mãos Limpas, da Itália, e a Operação Lava Jato, para daí concluir por meio de um sofisma que Jair Bolsonaro seria o equivalente brasileiro do italiano Sílvio Berlusconi.

A desonestidade intelectual empregada tanto pelo sociólogo socialdemocrata tucano quanto pelo semianalfabeto petista condenado pela justiça para, indiretamente, atacar a Lava Jato e comparar Bolsonaro a Berlusconi indica o quanto ambos eles, Fernando Henrique e Lula, têm de comum: o desprezo pela índole conservadora da maioria dos brasileiros e o temor, agora confessado pelo líder tucano, de que essa índole conservadora venha a traduzir-se em votos e na vitória do candidato da direita nas próximas eleições. Uma vitória que irá pôr um fim a duas décadas de uma parceria entre tucanos e petistas, que tanto mal trouxe ao país.

Uma acusação grave que precisa ser investigada
Na entrevista, Fernando Henrique Cardoso afirma que haveria um “debate sério” entre juízes da Operação Lava Jato, que estariam avaliando as consequências políticas da operação. Se esta afirmação do ex-presidente for verdadeira, ele tem a obrigação de vir a público dizer quem e quais são os magistrados que estariam fazendo tal debate, ou então esses magistrados têm que desmentir categoricamente as declarações do ex-presidente socialista.

Afinal, não cabe a um integrante do judiciário fazer ilações sobre as consequências políticas de suas decisões, que devem pautar-se unicamente pela observância da lei. Ou Fernando Henrique Cardoso prova que existem tais “debates sérios”, ou seremos obrigados a dizer que a afirmação do ex-presidente não passa de uma leviandade e de um uso indevido da Operação Lava Jato para fins de disputa política, envolvendo até mesmo integrantes do judiciário.

Um defensor confesso do petismo
Ainda na entrevista, o ex-presidente confessa aquilo que todos já sabem: que ele e seu partido demoraram a apoiar o processo de impeachment da ex-presidente petista, mas sem mencionar as razões para essa demora, razões estas que hoje são conhecidas pela maioria dos brasileiros: tucanos e petistas sempre foram aliados ideológicos e a suposta oposição que um faz ao outro nunca passou de um jogo de cena dentro de uma estratégia usada pela esquerda no mundo inteiro, que é conhecida como estratégia das tesouras.

Ao final, o ex-presidente socialista faz uma afirmação que é verdadeira, ainda que seja uma obviedade: a de que o próximo presidente eleito será aquele que expressar as aspirações da população. Nisso ele está correto, e é exatamente aí que reside seu temor confesso: Fernando Henrique Cardoso sabe que as reais aspirações da maioria da população hoje estão na contramão das políticas socialistas de esquerda que ele e seu partido, e seus parceiros petistas e dos demais partidos comunistas e socialistas, implementaram no país nas últimas décadas.

O líder socialista tucano sabe que as aspirações verdadeiras do povo brasileiro hoje encontram eco no campo conservador e de direita, especialmente na figura de Jair Bolsonaro, de quem o velho socialista tucano confessa ter muito medo. #CriticaNacional #TrueNews

COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Este canalha fala como se fosse dono da razão. Ele é uma peça da maquina de fabricar ilusão :

    Professores sindicalistas e idiotas úteis, falsos estudantes, nas escolas propagam a ideologia parecendo apenas professores os únicos ;

    Sindicatos e idiotas úteis nas empresas;

    Veículos de comunicação e a administração aparelhada ;

    Formam o restante desta tesoura que divide e destrói nosso país desde o início dessa republica imunda modelada pelos ditames do progressismo francês que emporcalha o mundo com sua sujeira socialista rotulada de cultura.

  2. A Venezuela está do jeito que está graças a um empurrão desse canalha.
    Muitos, durante muito tempo, o elogiaram só por conta do Plano Real. Nunca me enganei quanto às suas reais intenções.
    Está aí, hoje, a verdade. Um blefe, um globalista a serviço da cartilha fedorenta da ONU.

COMENTÁRIO: