por paulo eneas
O líder e chefe máximo petista, já condenado pela justiça em primeira instância, há pouco mais de um ano fez a defesa enfática do ditador narco-comunista venezuelano Nicolás Maduro e teceu elogios rasgados ao presidente da República Islâmica do Irã, país que é uma ditadura teocrática financiadora do terrorismo muçulmano internacional e inimigo declarado do Estado de Israel. O elogio foi feito por uma mensagem enviada pelo chefe petista condenado pela justiça à cúpula do chamado Movimento de Países Não-Alinhados, que reuniu-se em Ilha Margarita, Venezuela, em setembro de 2016.

Nessa reunião, a chefia desse movimento foi transferida do Irã para a Venezuela. Estavam presentes no encontro de narco-comunistas e muçulmanos os ditadores de Cuba, da Venezuela, do Irã, da Bolívia e do Equador. O chamado Movimento do Países Não-Alinhados foi criado pelos cubanos no início dos anos sessenta, sob pretexto de formação de um bloco de países que não estivessem ligados a um dos lados da Guerra Fria de então, travada entre Estados Unidos e União Soviética.

Obviamente esse suposto não-alinhamento nunca existiu. O bloco sempre constituiu-se em um braço do movimento comunista internacional articulado com o terrorismo islâmico e o narcotráfico, operando no âmbito dos países mais pobres da América Latina e da África.

O fato de agora esse bloco ser chefiado pelo ditador Nicolas Maduro fala por si só, e o elogio que o líder máximo petista faz ao bloco e aos ditadores iraniano e venezuelano reflete de maneira cristalina o futuro sombrio que o flagelo petista planeja para nosso país, caso esse condenado pela justiça volte a ocupar a presidência da nação.

Agradecimentos a João N. Neves pela colaboração nesse artigo. #CriticaNacional #TrueNews 


 

Comente com seu perfil do facebook: