por paulo eneas
Um artigo publicado na Folha de São Paulo semana passada e reproduzido em parte pelo blog O Antagonista, contém um aparente ato falho que pode ajudar a explicar em parte a origem e a fonte da onda dos ataques e calúnias contra Jair Bolsonaro que temos observado nos últimos dias. A publicação pode ser lida nesse link aqui, e abaixo reproduzimos um trecho dela, onda há uma palavra-chave grifada por nós mesmos:

A casa do presidenciável num condomínio na Barra, segundo o jornal, tem uma história esquisita: a ex-proprietária pagou R$ 580 mil, reformou e quatro meses depois vendeu-o ao deputado por R$ 400 mil. Com isso, em tese, ela teve prejuízo de 31%, segundo o cartório.

O ato falho em nosso entender está na menção a um certo cartório. Esse ato por si só suscita as seguintes perguntas e considerações:

a) Por que um artigo de jornal faz menção de passagem a um cartório, sem informar aos leitores nada sobre o tal cartório, nem dizer o motivo pelo qual ele está sendo mencionado?

b) A nota fala num suposto prejuízo de 31% segundo o cartório. Mas cartórios prestam-se unicamente ao registro de bens, para fins de fé pública. Até onde sabemos, cartórios não fazem cálculos para avaliar o ganho ou prejuízo em uma transação com imóveis.

c) A reportagem fala no suposto prejuízo, segundo o cartório, deixando claro que está usando informações do próprio cartório como fonte.

d) A menção é feita de maneira desleixada e descuidada, sem explicitar para o leitor o cartório como fonte da informação ou sem ocultá-lo, o que seria um direito do jornalista. Ou seja, a menção ao cartório foi um ato falho.

e) A maneira pela qual a matéria é apresentada, permite supor que o cartório não apenas forneceu essa informação ao jornal, como tomou a iniciativa de fazê-lo chamando a atenção para o suposto prejuízo na transação com o imóvel.

Um ex-ativista que virou dono de cartório
As considerações acima remetem-nos diretamente a Matheus Faria, um ex-ativista de movimentos que passou a adotar discursos de esquerda para atacar Jair Bolsonaro pelas redes sociais nos últimos dias. Matheus Faria tornou-se dono de cartório no ano de 2015 e comunicou esse fato em seu perfil no Facebook. Esse perfil foi recentemente apagado, mas o registro dessa comunicação ainda encontra-se disponível no Google, como pode ser visto na imagem abaixo.


Matheus Faria Carneiro aparece como Registrador e Tabelião no Cartório de Registro Civil e Tabelionato de Notas do 2o Distrito de Angra dos Reis-RJ, como pode ser visto nesse link aqui do próprio cartório e na imagem reproduzida abaixo.



Por fim, o Diário de Justiça do Rio de Janeiro de 11 de Novembro de 2015 traz as seguintes  informações, que podem ser acessadas diretamente nesse link aqui: a publicação oficial informa que, referente às folhas 28/29, confirma a exoneração a pedido de Matheus Faria Carneiro do cargo de Procurador da Fazenda Nacional.

Em seguida, a publicação oficial informa a aprovação de um plano técnico para as instalações do Registro Civil de Pessoas Naturais (RCPN) do 2o Distrito da Comarca de Angra dos Reis, e profere a investidura de Matheus Faria Carneiro. A publicação oficial é assinada pela juíza auxiliar Ana Lucia Vieira do Carmo, em seu parecer, e em seguida aprovada pela Desembargadora Maria Augusta Vaz M. Figueiredo. #CriticaNacional #TrueNews