por paulo eneas
Se o processo eleitoral não for arrastado totalmente para a ilegalidade, a  condenação em segunda instância irá tirar Lula da disputa conforme determina a Lei da Ficha Limpa, o que irá abrir um novo cenário político para a disputa eleitoral. Algumas análises começaram a surgir já desde quarta-feira apontando para a mesma falácia: a de que estando o líder petista condenado pela justiça ausente da disputa, o nome da Jair Bolsonaro irá enfraquecer-se.

No reforço de propagar essa narrativa mentirosa, o socialista tucano Fernando Henrique Cardoso entrou em campo: o sociólogo da Sorbonne resolveu trocar a análise política pelo exercício de imaginação criativa de militante, ao afirmar em entrevista ao jornal Valor Econômico dessa quinta-feira que a ausência do líder petista condenado pela justiça irá esvaziar a candidatura de Jair Bolsonaro. Na entrevista, que pode ser vista nesse link aqui, o líder tucano ainda vaticinou o crescimento do nome de Luciano Huck, mostrando que sua imaginação criativa militante não encontra limite.

Esse tipo de pseudo-análise serve apenas para reforçar um ripo de narrativa mentirosa que vem sendo criada nos últimos meses, narrativa essa que tenta equiparar Jair Bolsonaro ao criminoso petista condenado. É o tipo de análise que tenta reduzir Jair Bolsonaro a uma reação supostamente de extrema direita ao extremismo da esquerda representado pelo petismo.

Nós mostramos esse truque e sua origem no artigo Cenário Político Nacional: Em Busca Do Centro Perdido & Inexistente publicado essa semana. Por ora, podemos afirmar aos nossos leitores, com convicção e bastante segurança, o seguinte:

Jair Bolsonaro continuará crescendo na preferência do eleitorado nacional. A saída de Lula da disputa não irá interferir substancialmente nesse crescimento, e se houver alguma interferência será residual e positiva. Analistas que pretendem reduzir o fenômeno Bolsonaro a uma mera expressão radical de um antipetismo estão completamente errados ou agindo de má fé, e serão surpreendidos pelos próximos desdobramentos políticos.

O crescimento de Jair Bolsonaro daqui para frente será até mesmo difícil de ser ocultado e escondido pelos grandes institutos, que fazem pesquisas não para aferir tendências e preferência, mas para induzir comportamento do eleitor. De modo que as próximas pesquisas a serem divulgadas, ainda que devam ser vistas com enormes e gigantescas reservas, irão refletir essa tendência de crescimento.

Esse cenário novo fará de Jair Bolsonaro o alvo de ataques ainda mais intensos da grande imprensa e da elite esquerdista dos formadores de opinião, o que irá demandar um empenho e um esforço ainda maior dos apoiadores de sua pré-candidatura e das pessoas mais próximas no seu entorno para fazer frente a esses ataques. Nesse sentido, o socialista fabiano Fernando Henrique Cardoso está certo: o jogo começa pra valer agora, mas não será do jeito que o tucano-mor espera e deseja. #CriticaNacional #TrueNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE