por paulo eneas
A notícia de uma possível revisão do tema da prisão em segunda instância por parte do STF pode ter sido plantada pelos próprios petistas na semana passada, após a confirmação da condenação de Lula pelo TRF-4 por crime de corrupção e de lavagem de dinheiro. A plantação da notícia teve por objetivo criar um fato consumado, e um ambiente favorável para que tal pressão pela revisão de fato viesse a ocorrer. Mas a estratégia parece ter surtido efeito contrário ao esperado.

A presidente do STF, Ministra Carmen Lucia, afirmou que ela não tomará a iniciativa de pautar o tema da prisão em segunda instância no plenário da corte por razões unicamente casuísticas. É evidente que não há como afirmar se ela irá ou não honrar essa declaração, da mesma forma que não há garantia alguma de que algum outro integrante da corte possa tomar essa iniciativa. Mas fica cada vez mais evidente que simples possibilidade de revisão desse tema encontra forte rejeição da opinião pública.

De nossa parte continuamos avaliando que essa tentativa não dará resultado. É fato que a suprema corte brasileira possui uma maioria comprometida com uma agenda ideológica de esquerda, e é vocacionada para o ativismo judiciário. Mas essa corte já demonstrou também em outras oportunidades não ter mais interesse algum em proteger o petismo, uma vez que essa agenda ideológica pode prescindir do petismo para sua implementação.

Por sua vez, desde o ano passado porta-vozes oficiosos dos responsáveis pela segurança e defesa nacional já deixaram claro que não aceitarão em hipótese alguma que um criminoso condenado possa disputar a presidência da república. Assim como já deixaram claro que jamais irão submeter-se ao comando e à autoridade de um criminoso condenado que venha a eventualmente exercer a presidência da república por meio de chicanas jurídicas em um processo eleitoral eivado de ilegalidades e fraudes.

Dessa forma, olhando as movimentações de diversos atores políticos, fica cada vez mais patente que as opções do líder petista criminoso já condenado estão tornando-se cada vez menores. Esse cenário reforça a afirmação que fizemos no dia do julgamento: Lula poderá de fato ser preso em breve, e finalmente desaparecer para sempre da vida política nacional. Assim como desapareceram seus amigos e ditadores comunistas Hugo Chávez e Fidel Castro. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE