por paulo eneas
A divulgação de cursos criados em universidades públicas que abordam o impeachment da ex-presidente petista como tendo sido resultado de um suposto golpe de estado evidencia a necessidade urgente de uma PEC que altere o Artigo 207 e o Artigo 212 da Constituição Federal, que tratam respectivamente da autonomia universitária e da garantia de aporte de recursos para as universidades públicas.

O conceito de autonomia universitária precisa ser revisto, bem como a própria ideia de universidade pública. Com exceção de alguns nichos de excelência acadêmica nas áreas de ciências naturais e de tecnologia, as universidades públicas brasileiras tornaram-se cracolândias do pensamento nacional, especialmente os departamentos de ciências humanas, incapazes de promover o desenvolvimento científico e cultural do país.

Pelo contrário, as universidade públicas são as que mais contribuem para a decadência e a mediocridade do panorama cultural e acadêmico brasileiro. Uma mediocridade que espalha-se por todo o sistema educacional do país, uma vez que são estas universidades as responsáveis pela formação de professores de ensino básico e médio, e que em sua vasta maioria, transformaram a sala de aula em um espaço de doutrinação ideológica. 

As universidades públicas chegaram a esse grau de delinquência intelectual por conta da ocupação de espaços promovida pela esquerda ao longo de décadas. Uma ocupação que foi otimizada por duas vias: a primeira pelo financiamento público dessas universidades, que na prática corresponde ao financiamento do aparelhamento promovido pela esquerda, reforçado pela estabilidade empregatícia do serviço público.

A segunda via é justamente a noção de autonomia universitária, que dá a garantia jurídica para que os integrantes da instituição possa fazer aquilo que bem entendem, sob o rótulo de atividade acadêmica, sem precisar prestar contas a ninguém, especialmente aos pagadores de impostos que os financiam.

Os chamados “cursos sobre o golpe” são a mostra clara da perversidade desse mecanismo, razão pela qual a não apenas o conceito de autonomia universitária precisa ser revisto, como a própria ideia de universidade financiada com recursos públicos precisa ser rediscutida pela sociedade brasileira. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

Comente com seu perfil do facebook: