por paulo eneas
O petismo tentará nessa quarta-feira sua possível última cartada para impedir a prisão de seu líder máximo já condenado pela justiça em segunda instância por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Os prepostos do petismo no STF tentarão forçar a presidente da côrte, ministra Carmem Lúcia, a colocar em pauta de deliberação o entendimento do tribunal sobre a prisão de condenados em segunda instância.

Se a tentativa for bem sucedida e o tribunal mudar seu entendimento sobre a questão, não apenas Lula deixará de ser preso. A nova jurisprudência criada irá fazer com que dezenas de milhares de criminosos comuns já condenados em segunda instância e que encontram-se nas prisões sejam colocados nas ruas, promovendo o aumento generalizado da criminalidade em todo o país.

A ação do escória comunista incrustada na suprema corte de justiça do país pelo aparelhamento petista terá consequências que vão muito além de garantir a impunidade do líder petista já condenado. Esta ação poderá tornar-se o estopim de uma crise institucional generalizada, pois a decisão implicará que ninguém mais no país poderá ser preso até ter seu caso julgado pelo próprio STF, que iria transformar-se assim de corte revisora constitucional para uma corte máxima de apelação penal.

A presidente do STF tem reiterado sua decisão de não colocar em pauta a discussão sobre a prisão após condenação em segunda instância, e vem sofrendo pressões dos prepostos petistas para rever essa decisão. Nas redes sociais, têm surgido conjecturas, ainda não confirmadas, sobre a possível aplicação do Artigo 142 da Constituição Federal, que confere à chefe do poder judiciário a possibilidade de convocar as Forças Armadas para garantir a paz, a ordem e o funcionamento das instituições.

Não temos como avaliar se a ministra Cármen Lúcia irá dar esse passo a mais e invocar o Artigo 142. Mas é fato que o petismo como expressão partidária mais forte e mais organizada do movimento comunista no Brasil, mesmo vivendo seu ocaso, aposta todas as suas fichas no completo desmantelamento do que ainda resta de normalidade institucional no país. O desmantelamento das instituições, o caos social, o aumento generalizado da criminalidade e da desordem são os instrumentos com que os petitas e toda a esquerda revolucionária contam para manter suas posições de poder.

Resta saber se as Forças Armadas Brasileiras irão permitir que essa esquerda revolucionária leve adiante seu intento de instalar o caos e a desordem. Os sinais indiretos emitidos por porta-vozes não-oficiais das Forças Armadas ao longo dos últimos meses indicam claramente que não. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE