por paulo eneas
O jornal O Estado de São Paulo traz hoje uma entrevista com o General Luiz Gonzaga Schroeder Lessa, na qual ele afirma expressamente que a ação do STF no sentido de beneficiar um criminoso poderá causar uma deflagração social violenta no país. A entrevista pode ser lida nesse link aqui.  
A fala do general Lessa soma-se, com variações de tom, às falas de outros militares de alta patente da reserva, com o General Paulo Chagas e General Hamilton Mourão.

Esses pronunciamentos expressam  no seu conjunto a preocupação dos militares com os rumos a que o STF está conduzindo o país. Em particular, o o general Mourão foi claro em sua fala em entrevista uma rádio gaucha no último sábado ao afirmar: se a coisa prosseguir nesse diapasão, não restará outra alternativa do que a de ter que impor uma decisão ao STF. Uma afirmação que por si só deixa clara a disposição e ânimo dos militares.

O fato é que a suprema corte brasileira constitui-se hoje no maior inimigo da nação brasileira e um risco à democracia, às instituições, ao ordenamento jurídico e à paz social. Uma suprema corte corrompida a serviços de comunistas e de corruptos não tem que ter suas decisões cumpridas e muito menos respeitada. Uma suprema corte com esse perfil precisa ser destituída.

As manifestações dessa terça-feira devem exigir muito além do que a prisão do criminoso comunista petista já condenado pela justiça. Os brasileiros de bem devem ir às ruas hoje para exigir a imediata destituição dessa suprema corte bolivariana e corrupta que está colocando o país na rota do caos.

Os brasileiros devem sair às ruas hoje para exigir a destituição de todos os integrantes do STF, pois o povo possui legitimidade para fazer isso, uma vez que todo poder emana do povo. Os brasileiros devem exigir a destituição dos membros do STF em nome da democracia e da legalidade, e sabendo que podem contar com a retaguarda das Forças Armadas Brasileiras, para trazer novamente a ordem e a paz social à Nação. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE