por paulo eneas
Na mesma semana em que a presidente do ainda maior partido comunista brasileiro grava um vídeo para a Rede de Televisão Al Jazeera, usando de mentiras flagrantes para incitar muçulmanos estrangeiros a imiscuírem-se em assuntos internos e soberanos do Brasil, o deputado e pré-candidato presidencial da direita Jair Bolsonaro participou de evento comemorativo aos setenta anos do moderno Estado de Israel, na embaixada israelense em Brasília.

O contraste não poderia ser maior: Israel é a única democracia do Oriente Médio, o único país daquela região onde existe liberdade religiosa e liberdade de expressão, onde existe igualdade plena de direitos civis entre entre homens e mulheres, e onde uma pessoa homossexual sabe que jamais será perseguida e morta pela sua condição. E exatamente por isso, Israel é odiado por comunistas e seus aliados muçulmanos. Os mesmos muçulmanos e comunistas que a todo momento deixam claro que têm como objetivo a destruição do Estado de Israel.

Por outro lado, no mundo muçulmano, regido em grande parte por regimes de ditaduras teocráticas, não existe liberdade religiosa nem liberdade de expressão, a mulher é considerada um ser inferior e não desfruta de um décimo dos direitos civis dos homens, e uma pessoa homossexual quando descoberta pode ser condenada à morte pelo fato de ser homossexual. É esse mesmo mundo muçulmano regido por ditaduras teocráticas que financia e espalha o terror islâmico para o Ocidente.

A presidente do PT gravou um vídeo para a Al Jazeera dirigindo-se ao mundo islâmico, usando do eufemismo de mundo árabe, incitando seus agentes a imiscuírem-se em assuntos soberanos brasileiros. Por sua vez, Jair Bolsonaro participou na mesma semana de evento de celebração dos setenta anos do Estado de Israel. Esses fatos por si só mostram claramente quem está do lado do bem e quem está do lado mal. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


70 anos de Israel

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Quarta-feira, 18 de abril de 2018


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE