por paulo eneas
Repercutiu enormemente na grande imprensa no último fim de semana a notícia da filiação do empresário e cientista político Luiz Philippe de Orleans e Bragança ao PSL, partido do deputado Jair Bolsonaro, o pré-candidato a presidente da república melhor colocado nas pesquisas nesse momento. O jornal O Estado de São Paulo publicou matéria a respeito, ainda que usando um título depreciativo para fazer referência aos apoiadores de Jair Bolsonaro.

Jair Bolsonaro e Luiz Philippe de Orleans e Bragança, que é descendente da família real brasileira, conversaram longamente durante a cerimônia de troca de comando do Comando Militar do Sudeste, ocorrida na semana passada, aprofundando assim um entendimento que teve início há alguns meses no início desse ano, quando o PSL fez o convite oficial para que Luiz Philippe viesse a filiar-se ao partido. Até então, Luis Philippe era filiado ao Partido Novo.

Na carta convite enviada pelo PSL a Luiz Philippe em março desse ano, o partido reafirmou seu compromisso com uma plataforma política de defesa da soberania nacional, da família e dos valores cristãos, do restabelecimento do direito de propriedade em sua forma plena e a defesa inequívoca da vida em todos os sentidos. A carta também reafirmou os princípios gerais de defesa da livre iniciativa no campo econômico e da descentralização política do poder estatal.

Possível Candidato ao Governo do Estado de São Paulo
Tão logo foi confirmada sua filiação ao PSL, o nome de Luiz Philippe de Orleans e Bragança passou a ser visto com naturalidade como um dos principais candidatos do partido para deputado federal pelo Estado de São Paulo, ao lado de candidatos igualmente de peso e de prestígio, como o do já deputado Eduardo Bolsonaro e também o nome do empresário e apresentador de televisão Alexandre Frota.

No entanto, diante da mudança acentuada que vem ocorrendo no cenário político nacional, o nome de Luiz Philippe passou a ser considerado por muitos filiados como o nome mais indicado para concorrer como candidato do PSL ao Governo do Estado de São Paulo, o estado mais rico da federação e que vem sendo governado há anos pelo tucanos.

A avaliação feita por muitos filiados do PSL é de que existe um visível esgotamento do modelo da gestão da socialdemocracia fabiana no Estado, marcado por políticas públicas de concessões permanentes à agenda ideológica esquerdista e globalista, pelas denúncias crescentes de corrupção e pelo fiasco da gestão do ex-prefeito João Doria à frente da prefeitura paulistana.

Diante desse quadro novo, cresce junto a uma parcela dos filiados a avaliação de um nome com perfil conservador e de renovação como o de Luis Philippe de Orleans, e que esteja associado ao nome do presidenciável Jair Bolsonaro, possa vir a ser um concorrente competitivo para o governo paulista nas eleições desse ano.

Com a colaboração de Débora Portugal. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews



 

Comente com seu perfil do facebook: