Atualização:
Quando no texto falamos em aqueles que apresentam também alguma perspectiva de poder, ainda que em menor escala, estamos fazendo referência aos dois campos mencionados no artigo: os socialdemocratas junto com forças governistas de um lado, e os comunistas-socialistas de outro, que têm reais perspectivas de poder, ainda que em menor escala em relação à direita, uma vez que a direita é a real favorita para essas eleições. A redação original do artigo ficou ambígua ou pouco clara nesse trecho, suscitando interpretações diversas, daí essa nota de correção.

por paulo eneas
Uma parcela da direita brasileira ainda muito naïve na arena da guerra política continua permitindo-se ser pautada pelos factoides criados pelo petismo. Factoides esses que encontram amplo espaço na grande imprensa e que incluem até mesmo o lançamento de uma candidatura presidencial fake de um presidiário real. Em nosso entender, é preciso ter claro que: 

a) O chefe criminoso petista não será candidato, pois está impossibilitado de disputar eleições por conta da Lei da Ficha Limpa e por conta das chamadas sanções penais decorrentes da sua condenação em segunda instância.

b) Ele não será candidato porque as Forças Armadas Brasileiras já deixaram claro, para quem sabe e quer ler mensagens, que não permitirão em hipótese alguma a possibilidade de virem a ser comandadas a partir do ano que vem por um ladrão e criminoso condenado.

c) O chefe criminoso petista não será solto. Pelo contrário, ele em breve deixará de ter a comodidade e os privilégios das instalações em que se encontra na sede da Polícia Federal em Curitiba, e será transferido para um presídio comum, como qualquer criminoso comum.

d) O que resta petismo será dizimado nas eleições de outubro, dando assim conclusão ao processo de dizimação do partido iniciado nas últimas nas eleições municipais.

O que a direita precisa entender é que não escolhemos nossos adversários e inimigos por critérios subjetivos de gosto ou de hábito. O que define os protagonistas numa disputa política é a perspectiva de poder. Quem tem perspectiva real de poder hoje é a direita. Os nossos adversários e inimigos são, portanto, aqueles que apresentam também alguma perspectiva de poder, ainda que em menor escala, e que podem de fato rivalizar conosco.

Quem tem essa perspectiva de poder hoje, além obviamente da direita, são em primeiro lugar os tucanos e seu entorno, o que inclui grande parte do governo. Em segundo lugar estão as forças dispersas da esquerda revolucionária, que muito possivelmente irão unificar-se em torno de Ciro Gomes, o candidato dos comunistas chineses.

Logo, a direita precisa ocupar-se em fazer o embate com esse dois campos, que podem até mesmo virem a unirem-se contra a direita mais adiante, e não perder tempo com o cachorro morto do petismo que será, no máximo, um coadjuvante secundário nas próximas disputas políticas. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

Comente com seu perfil do facebook: