por paulo eneas
Segundo apuramos, não procede a informação que circulou nessa quinta-feira de que o publicitário Nizan Guanaes seria o novo marqueteiro da campanha de Jair Bolsonaro. O próprio publicitário divulgou vídeo nas redes sociais e no WhatsApp ao final do dia de ontem desmentindo a informação. Da mesma forma como não existe, até o momento, qualquer definição por parte da campanha de Jair Bolsonaro a respeito da contratação de um possível marqueteiro.

Em março desse ano, Nizan Guanaes deu uma entrevista à Folha de São Paulo, em que ele afirmou que enxerga um grande potencial em Jair Bolsonaro, disse que sua candidatura é fortíssima e que por esta razão ele acredita que o candidato da direita irá vencer as eleições. Na mesma entrevista, ele deixou claro que emitia uma avaliação profissional, uma vez que ele afirma “discordar das ideias” do candidato. A entrevista pode ser vista nesse link aqui.

Nessa entrevista, ele disse que a questão do tempo de propaganda eleitoral na televisão é “uma conversa antiga”, dando a entender que em sua opinião de especialista de comunicação a questão do tempo de televisão não é decisiva. E completou: “Ele tem tempo digital, ele tem 34% no Acre, de onde veio esse cara no Acre?”, fazendo alusão ao fato de que o enorme apoio angariado por Jair Bolsonaro em todos os cantos do país não depende de sua presença nos grande meios de comunicação.

Ao final dessa entrevista à Folha de São Paulo, o marqueteiro comparou Jair Bolsonaro a Donald Trump, quando o agora presidente dos Estados Unidos ainda disputava as primárias de seu partido para a eleição presidencial norte-americana. Uma comparação que nós do Crítica Nacional fazíamos já na época da campanha eleitoral americana, e continuamos a fazer em seguida, como no artigo Os Detratores De Jair Bolsonaro Hoje: Os Mesmos Que Detratavam Donald Trump Ontem, publicado em dezembro passado.

É evidente que Nizan Guanaes tem o direito de apoiar quem ele bem entender, assim como o de declarar quem ele não apoia. Mas não deixa de ser relevante que um profissional de talento e capacidade inegáveis como ele tenha vindo a público espontaneamente reconhecer e admitir que o candidato da direita, que ele não apoia, é o favorito para vencer as eleições.

A honestidade intelectual e profissional do marqueteiro nesse episódio constituiu-se, ironicamente, num excelente marketing em favor de Jair Bolsonaro. E sem precisar de nenhum truque. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews