por paulo eneas
Existem basicamente dois tipos de pesquisas eleitorais: as pesquisas públicas, divulgadas pelos veículos da grande imprensa e que por lei precisam ser registradas na justiça eleitoral. Essas pesquisas destinam-se à guerra política e não merecem credibilidade alguma, pois quase sempre trazem resultados distorcidos ou completamente falsos, conforme o interesse de quem contrata ou do veículo que patrocina a pesquisa.

As pesquisas públicas que previam a vitória de Hillary Clinton contra Donald Trump nas últimas eleições americanas, ou que davam como certo que a maioria dos britânicos iria rejeitar o Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia, são exemplos de pesquisas públicas dessa natureza. No Brasil, as pesquisas públicas recentes que incluem o nome do ex-presidente petista preso e condenado são igualmente falsas e deturpadoras, uma vez o chefe criminoso petista está impedido por lei de disputar cargo eletivo.

O segundo tipo de pesquisa eleitoral é a pesquisa interna, que não precisa de registro junto à justiça eleitoral, e que é feita por candidatos, por partidos e por empresas. Essas pesquisas internas merecem credibilidade, pois pela sua natureza e propósito precisam ser feitas com o máximo de rigor e precisão, pois os contratantes privados dessas pesquisas costumam tomar decisões políticas e econômicas com base nos resultados exibidos por elas.

A análise das decisões tomadas por determinados agentes políticos e econômicos pode, portanto, permitir fazer uma certa inferência sobre o que dizem os resultados das prováveis pesquisas internas de posse desses agentes, resultados esses que motivaram suas decisões. 

Dessa forma, o fato de mais de cem parlamentares já terem decidido apoiar o futuro governo de Jair Bolsonaro, como mostramos em artigo publicado essa semana e que pode ser visto nesse link aqui, pode indicar que prováveis pesquisas internas de posse desses parlamentares estejam apontando, com razoável precisão e certeza, um cenário de vitória de Jair Bolsonaro. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

Comente com seu perfil do facebook: