por paulo eneas
O Crítica Nacional acompanhou na noite dessa quinta-feira o primeiro debate entre os presidenciáveis, e fizemos avaliações em tempo real do desempenho dos candidatos em cada bloco. Estas avaliações podem ser vistas nas notas publicadas na home page de nosso website. Como balanço final desse primeiro debate, podemos destacar os seguintes pontos:

a) Havia expectativas diversas quanto ao desempenho de Jair Bolsonaro, pois esse seria seu debate de estreia, enquanto seus oponentes que realmente contam, Ciro, Alckmin e Marina, já têm todos eles experiência prévia em debates desse tipo.

b) Todos os candidatos realmente concorrentes decidiram não confrontar Jair Bolsonaro. Mais do que o receio do confronto, havia uma clara intenção de isolá-lo do debate, e as regras acertadas entre as partes facilitaram essa intenção de isolamento.

c) A exceção ficou por conta do invasor de propriedades, Boulos, que comportou-se o tempo todo como um cão raivoso vociferando para sua militância comunista. Bolsonaro agiu corretamente ignorando-o e colocando o invasor em seu devido lugar: o da insignificância.

d) O desempenho de Jair Bolsonaro foi similar, comparativamente falando, ao desempenho de Donald Trump no primeiro debate das eleições americanos: enquanto todos esperavam um candidato com uma postura agressiva e radical, no sentido negativo construído pela grande imprensa, o que se viu foi um candidato equilibrado e ao mesmo tempo firme nas suas convicções, exibindo até mesmo alguns momentos de humor.

e) O debate serviu para começar a desfazer todos os estereótipos negativos que a grande imprensa produziu em torno de Jair Bolsonaro nos últimos anos. Ele foi o único, por exemplo, que teve um gesto de estadista ao propor aos demais candidatos o compromisso de uma gestão republicana do BNDES.

f) A narrativa desonesta e mentirosa plantada por setores da própria direita meses atrás, segundo a qual Jair Bolsonaro seria fulminado nos debates por políticos tarimbados como Ciro Gomes ou Alckmin, foi por água abaixo. Tal narrativa não passava de invencionice ou desonestidade intelectual daquele setor da direita que pretendia alinhar-se com o tucano João Doria quando este era tido como possível presidenciável.

g) Dentre os concorrentes reais de Jair Bolsonaro, quem mais se destacou foi Ciro Gomes, ainda que seja um destaque de impacto eleitoral dúbio: ao propor que como presidente ele iria ajudar as pessoas limpar a nome do SPC/Serasa, ele está sinalizando que sua defesa da intervenção brutal do Estado na economia não tem limites.

h) Em contraste, Jair Bolsonaro foi o único dos concorrentes reais a fazer, mais de uma vez, a defesa da redução do Estado, da não interferência na economia por meio de desregulamentações, além da defesa explícita do livre mercado. Além de Bolsonaro, nenhum outro candidato fez a defesa explícita do liberalismo econômico. 

i) Os demais concorrentes viáveis, Marina Silva e Geraldo Alckmin, conseguiram no máximo oferecer o mesmo discurso pasteurizado elaborado por marqueteiros que ambos apresentaram em eleições passadas.

j) Se mantiverem essa toada, Marina e Alckmin serão a face visível da velha política e das táticas eleitorais pasteurizadas que, como já antecipamos aqui no Crítica Nacional, serão colocadas em xeque nessas eleições.

k) Esse primeiro debate deve ser visto como um test-drive dos candidatos. O fato de terem optado por não partirem para o confronto com Jair Bolsonaro pode ter sido apenas tático e circunstancial. Nada impede que nos próximos embates a tática seja exatamente a oposta.

Jair Bolsonaro terminou sua participação resumindo em menos de dois minutos os pontos centrais de seu projeto político. Sua fala final serviu de demarcação,  ao falar desde Escola Sem Partido até o combate ao Foro de São Paulo, passando pela condenação do passado comunista e socialista do país, pelo combate duro aos criminosos e pela defesa do livre mercado, como pode ser visto no vídeo abaixo.

Foi uma fala direta e inequívoca, sem rodeios e sem subterfúgios, para deixar claro que pela primeira vez em décadas na história política nacional a direita está em cena disputando o poder, e com chances reais de vitória. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews



 

Comente com seu perfil do facebook: