por christina fontenelle e paulo eneas
Na noite dessa quinta-feira tivemos dois eventos eleitorais distintos em duas grandes redes de televisão do País. Em uma delas, tivemos uma entrevista com um brasileiro patriota, honesto, cristão e que já é o grande vencedor dessa eleição: Jair Messias Bolsonaro. Na outra emissora tivemos um debate, um debate entre perdedores: perdedores covardes e mentirosos que, reunidos na sede da anfitriã responsável por todo tipo de desinformação e de destruição moral da família brasileira, dispuseram-se a mentir e atacar a imagem de um candidato infinitamente melhor do que todos eles juntos.

Os candidatos derrotados reunidos no debate global não fizeram outra coisa que não mentir e exibir a vileza de caráter pútrido de cada um deles, atacando covardemente um homem bom, que estava ausente do debate porque um criminoso da mesma estirpe desses perdedores, e instigado por eles, tentou tirar-lhe a vida em um ato terrorista criminoso covarde e desumano.

O candidatos derrotados reunidos no debate global tiveram o descaramento de afirmar que o vencedor estava ausente do debate por covardia, já que havia dado uma entrevista para outra emissora no mesmo dia e horário. Uma afirmação mentirosa e desonesta! A entrevista do candidato vencedor foi gravada dias antes, com várias interrupções para repouso e medicação do candidato, que está visivelmente abatido, embora em franca recuperação.

Os médicos foram enfáticos em proibir a participação do candidato vencedor em debates, muito menos neste tipo de ambiente e com muitas horas de duração. Foi esse, e somente esse motivo de força maior, o fator que determinou a ausência do candidato vencedor no debate de ontem, razão pela qual o debate restringiu-se a reunir os perdedores.

As mentiras e calúnias e ataques covardes ao candidato vencedor, ausente do debate por motivo de força maior, serviram para mostrar por que os adversários perdedores e a própria emissora, que permitiu que esses ataques fossem feitos de maneira livre e covarde, são merecedores de um desprezo crescente por parte da maioria da população.

O espetáculo global de covardia e de mentiras exibido ontem em rede nacional serviu para mostrar porque Jair Bolsonaro reúne todas as condições de vencer no primeiro turno. Serviu também para mostrar porque o Brasil não pode nem merece ser governado por gente corrupta e desonesta e covarde. No debate ficou claro que a Nação brasileira, mais do que nunca, precisa e merece e precisa ser governado por uma pessoa honesta e de caráter e corajosa: Jair Messias Bolsonaro.

Christina Fontenelle é analista política e colaboradora do Crítica Nacional. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

Comente com seu perfil do facebook: