por paulo eneas
Faltando apenas cinco dias para o segundo turno das eleições, a guerra psicológica alimentada com fake news e blefes de todo tipo por parte da campanha do poste nacional do presidiário petista tem sido a tônica observada nas redes. O objetivo dessas iniciativas é justamente promover e disseminar a insegurança e o temor junto aos eleitores.

Um desses blefes que começou a circular na semana passada afirma que a campanha petista estaria preparando um false flag, uma simulação de atentado contra o poste nacional e sua candidata a vice, com o objetivo de incriminar os apoiadores de Jair Bolsonaro. Esse pseudo-atentado simulado seria cometido na quinta ou sexta-feira para ser explorado pela grande imprensa até a véspera da eleição.

O blefe foi reforçado por um vídeo divulgado essa semana, e que pode ser visto mais abaixo, em que a presidente petista acusa antecipadamente, de maneira leviana e caluniosa, Jair Bolsonaro por qualquer coisa que venha supostamente a ocorrer ao candidato petista e aos dirigentes de sua campanha. 

Sabemos que comunistas e mentirosos e porta-vozes de criminosos da estirpe do poste nacional petista e seu entorno são amorais o bastante para até mesmo atentarem contra um dos seus para atingir seus objetivos de poder. No entanto, sabemos também pela história que o Incêndio do Reichtag, promovido pelos nazistas para justificar um golpe de estado, não foi anunciado com antecedência.

Isso posto, diante dessa desinformação plantada, devemos considerar o seguinte:
a) Se houvesse mesmo esse plano de simulação de atentado, ele por definição não viria público.

b) Se existisse e viesse a público, tal plano seria abortado.

c) Não há construção de falsa narrativa que possa sustentar esse hipotético atentado, pois a vitória de Jair Bolsonaro já é dada como certa até mesmo pelos petistas.

d) Na hipótese remota de que esse pseudo-atentado venha ocorrer, seu efeito surpresa já estaria completamente anulado.

Em vista dessas considerações, entendemos que a disseminação desse suposto plano de atentado forjado é mais um elemento de guerra psicológica, visando forçar a campanha de Jair Bolsonaro e seus apoiadores a adotarem um postura defensiva, que contraste com o amplo e inegável favoritismo da direita a poucos dias da eleição.  #CriticaNacional #TrueNews #RealNews



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário