por paulo eneas
Em mais uma de suas falas inoportunas e inadequadas para um integrante da instância máxima do judiciário brasileiro, o ministro do STF Marco Aurélio Mello criticou a escolha do General Fernando Azevedo e Silva para o Ministério da Defesa. Segundo Marco Aurélio, o ideal seria ter um civil na área da defesa.

Em nosso entender, o ideal seria que integrantes do Supremo Tribunal Federal não dessem palpites sobre as escolhas do Presidente da República, e que se limitassem ao exercício de sua função que é a de resguardar a Constituição Federal, em vez de ignorá-la em suas decisões para atender interesses políticos ou para praticar ativismo judicial ideologicamente motivado.

Seria também ideal que a suprema corte não exercesse esse ativismo judicial por meio da usurpação das atribuições do poder legislativo, tomando indevidamente para si a função de legislar em favor de pautas globalistas como a promoção do aborto, da ideologia de gênero e a proteção e soltura de criminosos em geral, em nome de uma pretensa dignidade humana.

A rigor, o ideal seria que o STF tivesse uma composição distinta da que tem hoje, herdada da era tucano-petista, e que não atende aos interesses do País. Uma composição que não consegue promover a segurança jurídica necessária para o desenvolvimento econômico da Nação e cuja fala inoportuna do Ministro Marco Aurélio evidencia o quanto essa composição está distante dos reais interesses nacionais. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews

Comente com seu perfil do facebook: