por paulo eneas
O presidente Jair Bolsonaro telefonou ontem à noite a todos os candidatos à presidência do Senado Federal, enviando cumprimentos formais e protocolares em relação à eleição de hoje para a mesa diretora da casa. Além do sentido institucional, a mensagem tem um óbvio significado político: indica que ao menos formalmente a Presidência da República não está se envolvendo de modo direto em favor de um ou outro candidato.

No entanto, a Rede Globo divulgou a notícia em uma versão mentirosa e enviesada: a jornalista Andrea Sadi publicou que o presidente Jair Bolsonaro telefonou para Renan Calheiros parabenizando-o pela vitória na bancada do MDB, que o escolheu como candidato do partido à presidência do Senado. E ponto. Uma meia-verdade que teve o impacto de uma mentira, pois insinuou uma aliança ou acordo entre o governo e Renan Calheiros.

Como de praxe, a notícia distorcida foi copiada pelo blog O Antagonista, que funciona como raspa de tacho e quinta coluna da guerra política da grande imprensa contra o governo. Esse tipo de episódio mostra que não existe por parte da grande imprensa qualquer disposição em deixar de promover guerra política contra o governo. Uma guerra pautada pela divulgação de mentiras, distorções e pelo uso de todas as técnicas conhecidas de desinformação.

Os integrantes do governo precisam ter em mente que, ao contrário do que descrevem os manuais de cursos de jornalismo, a grande imprensa não é uma instituição isenta e neutra que existe para informar o público, mas um agente político que tem lado e posição.

E o lado da grande imprensa brasileira é inequívoco: é o lado da esquerda, da oposição sistemática a esse governo, e que não tem freios morais para lançar mão de mentiras, distorções e plantações de fake news para levar adiante seu intento.

Tendo esse entendimento como pano de fundo, o governo precisa definir uma estratégia de relação com a imprensa. Uma estratégia que, obviamente pautada pelo princípio da legalidade e da isonomia, seja capaz de antecipar narrativas e versões mentirosas que a grande imprensa irá criar e já cria sobre todas as ações do governo, das mais rotineiras às mais relevantes. Uma estratégia de antecipação que permita neutralizar no nascedouro as ações de guerra midiática da grande imprensa contra o governo.

O governo Bolsonaro-Mourão completa hoje apenas um mês. Um período curto em que foi preciso fazer uma viagem internacional, ocupar-se da eleição das mesas diretoras do parlamento, além dos cuidados de saúde do presidente Bolsonaro, o que explica muitas das insuficiências e até mesmo erros na relação de integrantes do governo com a grande imprensa.

Tão logo essa estratégia de relação com a grande imprensa esteja concluída, é imprescindível que ela seja implementada, para evitar que o governo fique refém da guerra de narrativas e versões como tem ficado até agora. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews

O Antagonista & A Esgotosfera da Grande Imprensa

Comente com seu perfil do facebook:
COMPARTILHAR