Urgente: Rússia Removeu A Maioria de Seu Pessoal da Venezuela

 

Atualização e retificação:
Ao publicar a notícia nessa segunda-feira (03/06) cometemos um engano ao elaborar o título: conforme o corpo da matéria diz, Donald Trump publicou em seu twitter que os russos retiraram a maioria, e não todos, de seu pessoal da Venezuela. O título está agora corrigido. 

por paulo eneas
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, publicou há pouco em seu twitter ter recebido um comunicado do governo russo segundo o qual o Kremlin informa ter retirado a maioria dos russos que estavam na Venezuela. O comunicado pode ser interpretado como um sinal de que, no que diz respeito a Moscou, os norte-americanos estariam agora livres para tomar medidas efetivas para pôr um fim à narco-ditadura comunista venezuelana.

Se confirmado esse cenário, a decisão deve ser aplaudida, pois representará a primeira real janela de oportunidade para a ação externa necessária para liquidar o regime comunista genocida existente na Venezuela. Cabe agora ao Governo do Brasil sair do impasse em que se encontra há mais de um mês quando, por conta de um erro de informação e de avaliação estratégica, apostou numa solução interna decorrente de uma cisão entre os militares venezuelanos.

Tal cisão nunca existiu, tendo ocorrido no máximo pequenas dissenções em patentes mais baixas. Pois todo o alto oficialato do estamento militar daquele país foi corrompido pelo regime chavista, além de possuir ligações diretas com o narcotráfico. A única solução para derrubar a ditadura venezuelana é uma ação externa empreendida pelos norte-americanos com a concordância da Rússia e o apoio e respaldo político, diplomático e logístico-operacional do Brasil.

Não temos dúvida quanto ao firme compromisso do Presidente Bolsonaro de fazer com que o Brasil, seguindo estritamente o que estabelece nosso texto constitucional,  empreenda todos os esforços para ajudar a pôr um fim ao regime de narco-ditadura comunista da Venezuela. Uma ditadura que possui ligações comprovadas com o terrorismo islâmico internacional e que representa uma efetiva ameaça à segurança nacional brasileira.

Para debelar essa ameaça à nossa segurança nacional e ao equilíbrio geopolítico no continente latino-americano, não existe outra solução que não uma ação externa efetiva. Resta, portanto, aos setores tecnocratas do governo abandonar seus resquícios de anti-americanismo, bem como a noção distorcida de pragmatismo, e entender que a Venezuela não é um problema apenas dos venezuelanos. A Venezuela é também um problema do Brasil, pelas razões expostas acima.

E trata-se de um problema que o Brasil ajudou a criar, ao sustentar financeiramente e respaldar diplomaticamente a ditadura chavista durante a  era petista. Um problema que agora o Brasil tem a obrigação moral, além do imperativo geopolítico estratégico relacionado à nossa segurança nacional, de ajudar a resolver, vindo a fazer parte da solução, ao lado dos norte-americanos. Uma solução que, para além das declarações protocolares de encontros diplomáticos, que venha efetivamente libertar o povo venezuelano da escravidão trazida pelo socialismo. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews

LEIA TAMBÉM:

Os Desafios da Estratégia de Ação Brasileira na Venezuela

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário