Donald Trump na Comemoração do Dia da Independência dos Estados Unidos

Donald Trump na Comemoração do Dia da Independência dos Estados Unidos


por paulo eneas
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discursou em Washington nesta quinta-feira (04/07) em comemoração do Dia da Independência dos Estados Unidos. Donald Trump tornou-se o primeiro presidente em quase sete décadas a se dirigir a uma multidão no Dia da Independência no National Mall.

Trump discursou diante de uma multidão, e elogiou os heróis americanos e militares dos Estados Unidos nos últimos dois séculos e meio, e falou da luta pela independência. Dirigindo-se ao público que lotava o National Mall, Donald Trump disse:

Somos um só povo perseguindo um sonho e um destino magnífico. Todos nós compartilhamos os mesmos heróis, o mesmo lar, o mesmo coração, e todos somos feitos pelo mesmo Deus Todo-Poderoso.

Ao elogiar as realizações do seu país, Trump disse que “para os americanos, nada é impossível” e, fazendo referência à retomada do programa espacial norte-americano, Donald Trump também prometeu que os Estados Unidos iriam em breve plantar a bandeira norte-americana em Marte.

O orgulho nacional que a esquerda tenta destruir
O Dia da Independência é celebrado nos Estados Unidos com um vigor de sentimento patriótico e de orgulho nacional praticamente sem paralelo nos demais países do mundo. Os americanos são muito cientes do fato de terem construído em quase dois séculos e meio a nação mais próspera e poderosa e democrática do planeta, e de terem se constituído como povo que defende a sua liberdade acima de tudo.

Mais do que seu poderio militar e econômico, o orgulho nacional constitui-se no principal patrimônio e valor comum compartilhado por quase todos os americanos. E o “quase” aqui diz respeito ao segmento da sociedade americana representado pela esquerda, que combate e ataca esses valores justamente por ver neles a maneira de tentar solapar por dentro a sociedade americana.

No ano passado, atletas norte-americanos ligados à esquerda iniciaram uma série de ações que consistiam em ficar em posição de desrespeito durante a execução do hino nacional do país, como forma de “protesto”. De tempos em tempos, ativistas e entidades de esquerda peticionam para a retirada de símbolos nacionais americanos, como estátuas e outros, de locais públicos.

A esquerda pauta essas ações por saber que para solapar uma sociedade é necessário corromper e destruir por dentro os valores comuns que sedimentam essa sociedade. No caso dos Estados Unidos, o american dream vai muito além da ideia de uma terra de oportunidades para enriquecer, mas sim o de viver em uma sociedade baseada nos princípios da liberdade para empreender, do legítimo direito de defesa e da liberdade de expressão.

Esses valores comuns têm sido reafirmados pelos norte-americanos depois da traumática experiência com o governo socialista de Barack Obama. A eleição de Donald Trump em 2016 representou a reafirmação desses valores, e as falas do presidente norte-americano na celebração do Dia da Independência na data de ontem reforçaram essa reafirmação.

O sonho americano persiste, a despeito dos esforços desmedidos da esquerda para destruir esses sonhos e em seu lugar implantar um mundo de pesadelo. Colaboração Angelica Ca #CriticaNacional #TrueNews #RealNews