por paulo eneas
O Presidente da República, Jair Bolsonaro, foi informado pela Polícia Federal que seu telefone celular foi alvo de ataque por parte dos criminosos presos essa semana na Operação Spoofing. Tão logo a informação foi divulgada, o presidente veio a público para informar que ele não usa o celular para tratar de questões que envolvem segurança nacional e temas considerados sensíveis.

A despeito da preocupação do Presidente Bolsonaro em tranquilizar o público, o fato é que a invasão do celular do chefe de governo demonstra uma falha inaceitável do sistema de segurança da Presidência da República. Uma falha que se mostra ainda mais grave pelo fato de o crime de invasão ter sido perpetrado por criminosos que, aparentemente, não dispunham de um arsenal tecnológico sofisticado o bastante para ações de grande envergadura.

A pergunta óbvia que pode ser feita é: como é que criminosos comuns, sem acesso aparente a tecnologias sofisticadas, conseguem invadir celulares do chefe de governo e de ministros? É evidente que existe uma responsabilidade direta do setor encarregado da segurança presidencial, tanto a segurança física quanto a segurança relacionada à inteligência de informações.

Pois a facilidade com que o crime foi cometido não indica uma genialidade ou ousadia dos criminosos, mas sim uma falha brutal de segurança e uma vulnerabilidade inaceitável, cujos responsáveis precisam ser plenamente identificados. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews