por paulo eneas
O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (29/07) por meio de seu porta-voz que a invasão de telefones de autoridades efetuadas pelo ativista político Glenn Greenwald  “é crime e ponto final”. Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, o porta-voz afirmou:

O presidente tem se pronunciado, no entendimento de que essa ação de hackers tem a intenção de atingir a Operação Lava-Jato, o ministro Sergio Moro, atingir a pessoa do Presidente Bolsonaro, tentar desqualificar e tentar desgastar o governo. Invasão de telefones é crime, e ponto final.

A inversão de valores produzida no Brasil nas últimas décadas de domínio da esquerda fez com que o fruto de um crime continuado, invasão de telefones de autoridades públicas efetuada por agentes políticos ligados à espionagem internacional, tenha pautado o debate político nacional sem que os protagonistas desse debate se atentassem para a própria natureza do crime.

Foi preciso o Presidente da República vir a público para enfatizar a natureza criminosa da ação em andamento perpetrada por Glenn Greenwald, e dizer que o protagonista do crime pode ser condenado a prisão. A afirmação do presidente foi de natureza puramente factual, um chamamento à realidade para um fato óbvio.

No entanto, a mesma grande imprensa que deu guarida e respaldo a ação criminosa do The Intercept distorceu a fala do presidente, transformando uma constatação óbvia em suposta ameaça, como fez a jornalista Vera Magalhães, dizendo que o presidente teria “ameaçado” Glenn Greenwald. Essa sequência de fatos ilustra uma constatação: as décadas de hegemonia da mentalidade esquerdista na cultura brasileira gerou como subproduto uma certa disfunção cognitiva.

É essa disfunção cognitiva que faz com que influenciadores da opinião pública da grande imprensa, preocupados em cumprir sua agenda política e ideológica, interpretem falas e fatos de maneira absolutamente desonesta e sem conexão alguma com os fatos e as falas em si, num exercício permanente de desonestidade intelectual. É esse exercício de desonestidade intelectual permanente que tornou-se a tônica do debate político nacional levado a cabo pela grande imprensa. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE