por paulo eneas
Os Estados Unidos acusaram oficialmente essa semana a China de manusear e enfraquecer sua moeda, o yuan, a fim de obter vantagem no comércio internacional. Por conta disso, o governo americano declarou ser a China um país manipulador cambial. De acordo com comunicado distribuído à imprensa esta semana, o governo americano entende que a China vem tomando medidas para desvalorizar sua moeda com o objetivo de obter vantagem competitiva injusta no comércio internacional.

O Departamento do Tesouro dos Estados Unidos afirma também que as ações tomadas pela China representam uma violação dos compromissos firmados na cúpula do G20, que incluem o compromisso dos países de absterem da desvalorização cambial competitiva. A decisão dos Estados Unidos de classificar a China como manipulador cambial veio logo após a ditadura chinesa ter permitido que o yuan se desvalorizasse pela primeira vez em mais de uma década.

A desvalorização da moeda chinesa, ocorrida na última segunda-feira, causou enorme impacto no mercado financeiro internacional. Embora a desvalorização tenha sido discreta, existe o temor de que novas desvalorizações possam ocorrer em meio a um cenário de uma intensa guerra comercial entre China e Estados Unidos.

Esse episódio de desvalorização cambial, bem como outras práticas comerciais desleais praticadas pelos chineses, mostra o quanto o mundo ocidental errou nas últimas décadas ao guiar-se na sua relação com a ditadura chinesa unicamente pelo imediatismo economicista liberal, despido de quaisquer considerações morais e éticas, e vesgo em termos de uma visão geopolítica estratégica de longo prazo.

O resultado desse imediatismo foi a criação de um monstro geopolítico chamado chamado China. Um monstro de ditadura comunista, que persegue cristãos e impõe um regime de censura e repressão a centenas de milhões de pessoas, mas que não existiria se não fossem as intensas relações comerciais que o Ocidente manteve e mantém com a ditadura chinesa ao longo dos últimos anos.

Foi essa relação privilegiada com o capitalismo ocidental que permitiu ao regime de ditadura comunista chinesa ser o que ele é hoje: uma das principais ameaças comerciais e geopolíticas aos seus criadores, as democracias liberais do Ocidente. Colaboração de Angelica Ca #CriticaNacional #TrueNews #RealNews