por paulo eneas
O líder do Centrão, deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), afirmou hoje que o Presidente da República pode ser “demitido” pelo Congresso Nacional, caso o chefe de governo não queira estar de bem com parlamentares como ele. Ricardo Barros fez essa afirmação durante encontro com o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

O arroubo retórico do deputado é bastante revelador da natureza da relação existente hoje entre o Executivo e o Legislativo. Afinal, fosse essa relação pautada pelo fisiologismo e troca de favores baseada no toma-lá-dá-cá, à qual o deputado possivelmente sempre esteve acostumado, ele não teria tido essa explosão de indignação.

Portanto, a fala do deputado é um atestado da natureza republicana da relação entre Executivo e Legislativo no Governo Bolsonaro, e serve para mostrar o quão falaciosas e desonestas são as narrativas da grande imprensa a respeito de um suposto acordão não-republicano entre o governo e os demais poderes. Nesse sentido, o deputado concedeu, ainda que involuntariamente, um atestado de idoneidade ao Presidente Bolsonaro.

Quanto a “demitir” o Presidente da República, o deputado deve saber que a Constituição Federal realmente prevê a possibilidade de afastamento do chefe do executivo por iniciativa do parlamento no caso de cometimento de crime de responsabilidade. Ocorre que o Presidente Bolsonaro não cometeu nem cometerá qualquer crime dessa natureza, de modo que a fala do deputado nesse aspecto é inócua.

Existe uma diferença enorme entre afastar um presidente por conta de crime de responsabilidade, e querer afastar o chefe de governo por ele não reproduzir práticas fisiologistas e de trocas de favores com membros do Legislativo, que eram bastante comuns nos governos passados. Práticas essas com as quais Ricardo Barros aparentemente havia se acostumado e que agora, na ausência delas, levou o deputado a este arroubo retórico de indignação. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário