por paulo eneas
Em pronunciamento feito na noite desta terça-feira (22/10) na tribuna da Câmara Federal, os deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) anunciou sua decisão de abrir mão da indicação para o cargo de Embaixador do Brasil em Washington e de permanecer no País exercendo seu papel de liderança da direita conservadora nacional.

Ainda ontem mais cedo, o Presidente Bolsonaro já havia sinalizado essa possível mudança quanto à escolha do novo embaixador ao afirmar em entrevista no Japão que a permanência de Eduardo Bolsonaro no Brasil é estratégica, e que caberia ao deputado decidir aceitar ou não ter seu nome submetido pelo presidente à apreciação do Senado Federal para o cargo de Embaixador do Brasil em Washington.

A decisão tomada por Eduardo Bolsonaro é correta e merece ser aplaudida, e está em linha com o que o Crítica Nacional vem afirmando desde quando o nome do deputado foi cogitado para a função de embaixador.

Enfatizamos inúmeras vezes que Eduardo Bolsonaro reúne todas as condições para chefiar a representação diplomática brasileira em Washington. No entanto, sua saída do Brasil deixaria um vácuo na liderança política da direita nacional. Vácuo esse que não teria como ser preenchido de imediato. Nesse sentido, a decisão de Eduardo Bolsonaro foi uma escolha correta e a saudamos por isso.

Grande imprensa mente até mesmo quando relata uma verdade
Como era de se esperar, a grande imprensa usou de mentira para anunciar a decisão de Eduardo Bolsonaro de permanecer no Brasil, afirmando que a decisão foi um recuo ante o receio de uma possível reprovação de seu nome pelo Senado Federal.

Os analistas da grande imprensa que fazem essa ilação ignoram as razões apresentadas pelo deputado em seu comunicado da decisão, razões estas que correspondem praticamente às mesmas que apresentamos aqui no Crítica Nacional ao longo desse período.

Completamente descolados da realidade e preocupados unicamente em fazer guerra política contra o governo, estes mesmos analistas falam de uma suposta dificuldade do Presidente Bolsonaro no Senado no mesmo dia em que a reforma previdenciária foi aprovada no mesmo Senado Federal com sessenta votos favoráveis, onze a mais do que o necessário.

Esse episódio evidencia que a grande imprensa nacional, inimiga declarada do governo e dos valores abraçados pela imensa maioria do povo brasileiro, mente até mesmo quando vê-se obrigada a relatar uma verdade factual. E essa desonestidade intelectual ficou demonstrada por essa narrativa mentirosa que a grande imprensa criou para justificar a decisão do deputado. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário