por paulo eneas
O Presidente Bolsonaro decidiu corretamente não dar os cumprimentos formais e as felicitações a Alberto Fernandez pela vitória nas eleições argentinas deste domingo. E existem no mínimo duas razões fortes que embasam a decisão acertada do presidente brasileiro, e que estão relacionadas à defesa de nossa soberania nacional.

Em primeiro lugar, o candidato do Foro de São Paulo e poste de Cristina Kirchner que será o próximo presidente argentino afirmou explicitamente que o chefe criminoso petista, condenado e preso por corrupção e lavagem de dinheiro, é um preso político.

Alberto Fernandez sabe que o Brasil não possui presos políticos, ao contrário de regimes de ditaduras comunistas que o poste da corrupta e criminosa Cristina Kirchner apoia e que o apoiaram nas eleições, como Venezuela e Cuba, que abrigam em suas prisões, milhares de prisioneiros políticos em total desrespeito aos direitos humanos.

A afirmação mentirosa de Alberto Fernandez foi talhada somente para fazer coro à narrativa igualmente mentirosa da esquerda brasileira e do Foro de São Paulo, e constitui-se em uma agressão à soberania nacional brasileira.

A afirmação constitui-se também numa evidência de que o futuro presidente argentino pretende promover uma “guerra de atrito” política e diplomática com o Brasil, seguindo determinação e diretrizes do Foro de São Paulo.

A segunda razão que levou, em nosso entender, o Presidente Bolsonaro a abster-se cumprimentar o candidato vitorioso do Foro de São Paulo no pleito argentino, foi a intenção declarada de Alberto Fernandez de ir visitar o chefe criminoso petista na cadeia, em Curitiba (PR).

Entendemos que cabe à justiça brasileira usar dos meios que a legislação nacional estabelece para não permitir tal visita. Afinal, não se tem notícia de um futuro governante de um país que decida, por razões puramente políticas, visitar um presidiário de um país vizinho com o qual pretenda continuar mantendo relações diplomáticas e comerciais normais.

O gesto de Alberto Fernandez de querer visitar Lula na prisão mostra que o caminho escolhido por ele é o de confrontação e de guerra política e diplomática com o Brasil. Uma guerra da na qual os argentinos sairão derrotados, de novo, tanto em termos diplomáticos, quanto geopolíticos e comerciais. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário