por angelica ca
A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (01/11) a Operação Mácula com vista a esclarecer a origem e autoria do vazamento de óleo no litoral brasileiro, que já causou a contaminação de diversas praias e resultou na morte de inúmeros animais. A contaminação, que teve início em agosto, já atingiu mais de 250 praias nordestinas brasileiras.

Uma embarcação grega é suspeita de ter causado o derramamento de óleo que atingiu o litoral. De acordo com a Polícia Federal, uma embarcação de bandeira grega atracou na Venezuela em 15 de julho, onde permaneceu por três dias. Em seguida, ela zarpou rumo a Singapura através do Oceano Atlântico, vindo a aportar apenas na África do Sul.

As investigações realizadas apontam que o derramamento teria ocorrido nesse deslocamento. Um comunicado em nota no website oficial da Polícia Federal, informa que:

“A partir da localização da mancha inicial, cujo derramamento suspeita-se ter ocorrido entre os dias 28 e 29 de julho, foi possível identificar o único navio petroleiro que navegou pela área suspeita, por meio do uso de técnicas de geointeligência e cálculos oceanográficos regressivos”.

A Polícia Federal ainda informa que estão sendo realizados diversos exames periciais no material oleoso que foi recolhido em todos os estados brasileiros que foram atingidos, além de exames em animais mortos. Foi constatado que estes animais morreram por asfixia em decorrência do óleo, devido a similaridade de origem entre as amostras.

Conforme divulgado pela Polícia Federal, as investigações tiveram início em meados de setembro deste ano e contaram com ação integrada das seguintes instituições: Marinha do Brasil, Ministério Público Federal, Ibama, Agência Nacional do Petróleo, Universidade Federal da Bahia, Universidade de Brasília e Universidade Estadual do Ceará, além do apoio espontâneo de empresa privada do ramo de geointeligência.

Foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão na cidade do Rio de Janeiro, expedidos pela 14ª Vara Federal Criminal de Natal (RN), em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil.

A investigação criminal imputa aos responsáveis, bem com às pessoas jurídicas, as penas previstas no art. 54 da Lei Ambiental por crime de poluição, além do crime previsto no art. 68 da mesma lei, decorrente do fato de não ter havido comunicação às autoridades acerca do incidente. Com Informações do Portal da Polícia Federal Colaboração Angelica Ca #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário