por paulo eneas
O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurelio Mello, afirmou hoje (12/11) que uma decisão do Congresso Nacional que venha a assegurar a execução da pena de prisão após condenação em segunda instância seria uma afronta ao STF, que na semana passada tomou decisão mudando sua própria jurisprudência e proibindo o cumprimento de pena nessas circunstâncias, beneficiando assim inúmeros condenados que estavam presos.

É uma ironia, que beira ao cinismo, um membro da atual composição da suprema corte brasileira falar em afronta, quando a prática sistemática dessa mesma suprema corte tem sido a de afrontar a própria Constituição Federal, afrontar o parlamento por meio da usurpação de sua prerrogativa de legislar, e afrontar todo o povo brasileiro ao tentar, via ativismo judicial, impor uma agenda ideológica contrária aos valores da maioria do povo.

A verdadeira afronta ao País acontece quando o ministro Gilmar Mendes afirma e deixa clara sua vontade deliberada de acabar com a Operação Lava Jato ao considerar a hipótese de suspeição do então juiz Sérgio Moro. Consideração essa que o ministro faz com base em informação obtidas ilegalmente e divulgadas pelo site The Intercept, chefiado por um agente comunista estrangeiro residente no Brasil.

A afronta reside na disposição da suprema corte de alterar três vezes sua jurisprudência sobre prisão de condenados após segunda instância em um intervalo de apenas dez anos, com o claro objetivo de beneficiar justamente aqueles que foram condenados pela maior operação de combate à corrupção já realizada no mundo, a Operação Lava Jato. A mesma operação que o ministro Gilmar Mendes diz taxativamente que precisa ser encerrada e desfeita.

Estas são algumas das inúmeras afrontas que a atual suprema corte brasileira, cuja composição foi herdada toda ela do período de hegemonia da esquerda em todas as esferas da vida pública nacional, exerce quase diariamente contra a maioria do povo brasileiro.

Quando Marco Aurelio Mello alega uma suposta afronta do Congresso Nacional ao STF, o cinismo de sua afirmação constitui-se em mais uma das inúmeras afrontas dos integrantes desta suprema corte contra o País, contra o povo e contra as instituições. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário