por paulo eneas
O Governo Bolsonaro teve início com a grande imprensa e parcela do establishment político simplesmente tentando derrubá-lo, por meio do questionamento de sua autoridade. Falava-se abertamente no primeiro semestre em impeachment, sem que houvesse qualquer base legal para isso. Fazia-se pressão por renúncia, e falava-se também abertamente em um parlamentarismo branco não previsto na Constituição Federal.

O questionamento da autoridade presidencial foi verbalizado também pelo então ministro Alberto Santos Cruz, que em depoimento ontem (26/11) na CPMI das Fake News, basicamente defendeu a censura tecnocrática contra os apoiadores do presidente que se manifestam nas redes sociais. A demissão de Santos Cruz e as manifestações populares de apoio ostensivo ao presidente e à sua agenda de reformas, reverteram o quadro.

Posteriormente a grande imprensa voltou-se contra Sérgio Moro. A bem da verdade, a imprensa tentou instrumentalizar o prestígio inegável de Sérgio Moro contra o Presidente da República, por meio da narrativa mentirosa de um suposto conflito entre o presidente e seu ministro, que resultaria na queda deste último. O jornal O Estado de São Paulo chegou até mesmo a “anunciar” a iminente saída do ministro, em uma demonstração de como a grande imprensa é a maior disseminadora de fake news no País.

Esgotada a fase da narrativa mentirosa do suposto e inexistente conflito entre o Presidente Bolsonaro e o ministro Sérgio Moro, a ação da grande imprensa voltou-se já há algum tempo para o Ministro da Economia, Paulo Guedes. De modo inicialmente sutil, até tornar-se escancarada e explícita, a ação da grande imprensa passou a ser no sentido de tentar desgastar ao máximo o ministro, como forma de fragilizar o Governo Bolsonaro.

O ponto máximo dessa guerra aberta contra o ministro deu-se agora, com a distorção deliberada e cínica que a grande imprensa vem promovendo da defesa que Paulo Guedes fez da democracia e da paz social. Uma defesa na qual o ministro denunciou a intenção criminosa dos petistas e do resto da esquerda de promoverem desordem social, e as consequências que o sucesso deste intento poderia ter, por meio da menção figurada ao AI-5.

Conforme tratamos no artigo Paulo Guedes & AI-5: O Analfabetismo Funcional Da Imprensa & Do Establishment Político publicado ontem, o ataque que a grande imprensa promove agora contra o Ministro da Economia, por meio da mais completa e desonesta e histérica distorção de sua menção ao AI-5, revela outra vez a natureza da classe falante brasileira, representada pela grande imprensa. Ao lado do crime organizado, a grande imprensa, com poucas exceções, é a maior inimiga da Nação. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
Deixe um comentário