por paulo eneas
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, conversou por telefone no último domingo (01/12) com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sobre o ingresso de mais países europeus no mecanismo financeiro criado pela União Europeia, para burlar as sanções comerciais impostas pelos Estados Unidos ao Irã.

A conversa entre os dois líderes, que irão se reunir no próximo final de semana em Londres na Cúpula da OTAN, ocorreu após o premier israelense Benjamin Netanyahu ter denunciado em um vídeo divulgado neste domingo (01/12), que seis novos países europeus ingressaram em um mecanismo financeiro destinado a favorecer o Irã. No vídeo, Netanyahu afirma:

“Enquanto o regime iraniano está matando seu próprio povo, os países europeus correm para apoiar esse regime muito assassino. Esses países deveriam ter vergonha de si mesmos.”

As declarações do primeiro-ministro israelense aconteceram depois de Paris, Londres e Berlim terem recebido no último sábado (30/11) seis novos países europeus, que ingressaram no mecanismo de troca financeiro denominado INSTEX, que visa burlar as sanções comerciais impostas pelos Estados Unidos contra o o regime iraniano.

O mecanismo financeiro INSTEX foi criado pelos europeus para facilitar o comércio com o Irã, burlando as sanções impostas pelos Estados Unidos ao regime de ditadura dos aiatolás. Alemanha, Grã-Bretanha e França iniciaram o mecanismo em janeiro, sob pressão do Irã, que tem exigido dos países europeus a continuidade do comércio com Teerã, apesar de o regime iraniano ter infringido cláusulas do acordo nuclear firmado em 2015, acordo esse que já é por si só amplamente favorável ao Irã.

A INSTEX, sediada em Paris, funciona como uma câmara de compensação, permitindo que o Irã continue vendendo petróleo e importando outros produtos ou serviços. Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Holanda, Noruega e Suécia se unirão à França, Alemanha e Reino Unido como acionistas da INSTEX.

O Ministério das Relações Exteriores de Israel afirmou em comunicado que Bélgica, Dinamarca, Finlândia, Holanda, Noruega e Suécia não poderiam ter escolhido um momento pior, e mencionou as centenas de iranianos inocentes assassinados pelo regime teocrático islâmico de Teerã durante os recentes protestos naquele país.

Por sua vez, o jornal Jerusalem Post informa que o embaixador de Israel na Organização das Nações Unidas, Danny Danon, afirmou que o dinheiro que esses países europeus fornecem ao Irã, será usado para construir foguetes que serão lançados contra crianças israelenses, além de financiar a repressão violenta contra manifestantes civis iranianos. Colaboração Angelica Ca #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE