por paulo eneas
Dentre as inúmeras inconsistências no depoimento da deputada Joice Hasselmann hoje (04/12) à CPMI das Fake News, está a afirmação de que uma das ações dos apoiadores do Presidente Bolsonaro nas redes sociais, que segundo a narrativa da deputada formariam uma rede coordenada e articulada sob a forma de uma suposta milícia virtual, teria sido um ataque coordenado à Lava Jato.

De todas as afirmações sem sentido feitas pela deputada na CPMI, que foi criada com o objetivo de tentar cercear a liberdade de expressão dos conservadores na internet e questionar a legitimidade da vitória eleitoral do então candidato Jair Bolsonaro, essa é a que soa mais surrealista. Pois os fatos concretos mostram que o apoio à Lava Jato e ao Presidente Bolsonaro quase se confundem no cenário político nacional.

A tentativa de associar os apoiadores históricos e fiéis do Presidente Bolsonaro àqueles que combatem a Lava Jato, corresponde exatamente à narrativa mentirosa criada meses atrás por veículos como O Antagonista e Jovem Pan, conforme analisamos detidamente aqui no Crítica Nacional em nossos artigos e em nossas transmissões.

Uma narrativa que foi criada por meio de uma tentativa de instrumentalização do prestígio do ministro Sérgio Moro e por meio da plantação da mentira de um suposto conflito entre o ministro e o presidente, também conforme apontamos aqui.

Ao requentar e dar respaldo a uma narrativa passada e mentirosa da grande imprensa, Joice Hasselmann sela com chave de ouro a traição que ela cometeu contra o presidente e seus eleitores.

Ao adotar essa linha para atacar o Presidente Bolsonaro e seus apoiadores, a deputada também consolida o excelente favor político que ela vem prestando aos tucanos, que em troca lhe retribuíram com a oferta do cargo de candidata a vice-prefeita para uma possível reeleição de Bruno Covas para a prefeitura paulistana. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE