por paulo eneas
O Presidente Bolsonaro publicou hoje (13/12), um pouco após o meio-dia, uma mensagem em sua rede social cumprimentando o premier inglês Boris Johnson pela vitória nas eleições britânicas. No texto da mensagem, o presidente brasileiro diz:

“Cumprimento os britânicos e o Primeiro-Ministro do Reino Unido, Boris Johnson, pela grande vitória de ontem. Brasil e Reino Unido compartilham o apreço à auto-determinação e à soberania. Estamos dispostos a trabalhar no fortalecimento de nossas relações e na construção de uma parceira cada vez mais sólida e benéfica para nossos povos.”

A vitória dos conservadores britânicos, em que pese as objeções que precisam ser feitas ao setor globalista do Partido Conservador, vem sendo saudada pelos conservadores e pela direita no mundo todo. Principalmente por conta do compromisso de Boris Johnson de levar adiante a retirada da Grã-Bretanha da União Europeia, conforme decisão tomada pela maioria dos britânicos em junho de 2016, no plebiscito do Brexit.

A vitória dos tories, como os conservadores são chamados no Reino Unido, é ainda mais relevante por significar uma derrota acachapante dos trabalhistas liderados por Jeremy Corbyn, um comunista pró-islâmico, com vínculos com grupos terroristas muçulmanos e que transformou o Partido Trabalhista Britânico na versão inglesa do PT e do PSOL brasileiros.

Entre as pautas defendidas pelos comunistas pró-muçulmanos britânicos abrigados no Partido Trabalhista, estão a defesa da estatização do setor de infraestrutura e o apoio incondicional à invasão muçulmana em massa ao país, sob o pretexto de acolhimento de refugiados, além de defenderem a permanência do Reino Unido na União Europeia, contra a vontade e decisão da maioria dos britânicos.

Em maio de 2016, o comunista pró-islâmico Jeremy Corbyn, declarou durante uma manifestação pró-muçulmanos em Londres (foto abaixo, ao centro), que o principais aliados dos britânicos seriam o Hamas e o Hezbollah, organizações terroristas islâmicas que têm como objetivo declarado a destruição do Estado de Israel. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews