por angelica ca e paulo eneas
O Partido Social Liberal (PSL) decidiu nesta quinta-feira (12/12) expulsar a deputada federal Bia Kicis (DF), sob pretexto de que ela estaria fazendo propaganda para o novo partido do Presidente Bolsonaro, o Aliança Pelo Brasil. Para justificar a expulsão, o presidente e dono do PSL, Luciano Bivar, usou a falsa alegação de que Bia Kicis teria cometido “grave infração ética” e incorrido em suposta “infidelidade partidária”, o que teria resultado em sua expulsão.

Em seu twitter nesta quinta-feira (12/12), a deputada Bia Kicis comentou a expulsão, e afirmou não ter recebido nenhuma notificação formal do presidente do PSL comunicando essa decisão. Ela ainda acusou o presidente do partido, Luciano Bivar, de desmerecer a sigla. Bia Kicis disse que nunca falou mal do PSL, mas sim apontou algumas ilegalidades que estavam sendo feitas e entrou com uma ação.

Bia Kicis ainda disse que tem assistido atos totalitários de algumas pessoas do PSL, e lembrou que ninguém pode ser expulso de um partido sem o devido processo legal, além de ser necessário uma notificação formal para o exercício do direito de defesa. Em outro twitter publicado também na quinta-feira, Bia Kicis disse que nunca recebeu tantos parabéns por ter sido expulsa de “algo”, nesse caso, o PSL.

O ato de expulsão de Bia Kicis do PSL é ilegal, pois não atende os requisitos básicos da lei partidária e será revertido na justiça em poucos dias. Mas o significado político é claro: o partido, cujo dono é Luciano Bivar, e que tem à sua disposição algumas centenas de milhões de reais de recursos públicos provenientes do fundo partidário, segue em rota de suicídio político continuado.

A direção do partido também continua perseguindo e hostilizando os parlamentares fiéis ao Presidente Bolsonaro, por meio de tentativas ilegais de expulsão, ameaças de suspensão e afastamento de comissões do parlamento.

O PSL é hoje um partido que prossegue no esforço para reduzir-se à mediocridade política do partido nanico que ele sempre foi, e que voltará a ser em breve, quando os eleitores forem novamente às urnas para dar a resposta a um partido que já carrega a marca de ter sido o maior traidor do Presidente Bolsonaro. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE