por paulo eneas
A Justiça de São Paulo determinou que a Revista Crusoé publique direito de resposta de Otávio Fakhoury, empresário e membro do Conselho Editorial do Crítica Nacional, relativo à matéria intitulada Blogueiros de Crachá, publicada por aquela revista em 11/10/2019 e assinada pelo diretor de jornalismo da Rádio Jovem Pan, Felipe Moura Brasil. A decisão judicial foi proferida no dia 19 de dezembro passado, e foi dado à Revista Crusoé um prazo de sete dias para cumprir a determinação.

Na decisão, que pode ser vista na íntegra neste documento em pdf aqui, a juíza Tonia Yuka Koroku considerou parcialmente procedentes as alegações apresentadas pelo empresário Otávio Fakhoury, por meio de seu advogado, Dr. João Manssur.

No entender da juíza, ao basear sua reportagem em mensagens privadas de WhatsApp obtidas sem autorização das partes envolvidas, o jornalista Felipe Moura Brasil infringiu o direito de privacidade da parte legalmente ofendida, direito esse assegurado no inciso X do art 4° da Constituição Federal, tornando assim inevitável o direito de resposta.

No panfleto de fofocas publicado na Revista Crusoé sob o título de Blogueiros de Crachá, o diretor de jornalismo da Jovem Pan discorre sobre uma reunião de ativistas ocorrida em abril do ano passado na capital paulista, pretendendo dar a esta reunião um caráter secreto e conspiratório que ela nunca teve.

O Crítica Nacional comentou sobre o panfleto de Felipe Moura Brasil no artigo REVISTA CRUSOÉ: O JORNALISMO INVESTIGATIVO REDUZIDO À FOFOCA DE GRUPOS DE WHATSAPP, publicado no mesmo dia 11 de outubro passado. A íntegra desse artigo do Crítica Nacional pode ser lida nesse link aqui, e em um dos trechos afirmamos:

O conteúdo da reportagem, assinada por Felipe Moura Brasil, beira ao patético devido às ilações apresentadas, evidenciando que Felipe Moura Brasil não aprendeu o be-a-bá das práticas elementares de jornalismos investigativo, pois:

a) Sugere que a reunião tenha sido secreta, o que obviamente é uma sandice, uma vez que o próprio Crítica Nacional publicou matéria no dia 09/04 intitulada Movimentos de Direita de Todo o País Articulam Apoio à Agenda Conservadora de Jair Bolsonaro, relatando a reunião e as discussões que foram travadas. Houvesse o diretor de jornalismo da Jovem Pan feito um trabalho correto de investigação jornalística, não rotularia o encontro como sendo secreto.

b) A matéria da Crusoé/Amiga/Contigo também publicou alguns áudios em que um dos organizadores tratam da organização do encontro. Em um dos áudios, o caráter informal e não sigiloso do encontro, ficou evidenciado pela afirmação irônica feita por Otávio Fakhoury a respeito de uma “central de conspiração”.

c) Não estivesse Felipe Moura Brasil sofrendo de surtos episódicos de analfabetismo funcional, tamanho seu esforço de combater a direita raiz que historicamente apoiou e apoia o projeto político representado pelo Presidente Bolsonaro, ele teria tido discernimento para perceber o tom sarcástico e irônico da menção à “central de conspiração”, uma vez que ninguém anuncia a natureza de sua atividade conspiratória.

d) A menção leviana e mentirosa feita por Felipe Moura Brasil quanto ao uso de recursos públicos no evento, receberá de nós o tratamento em separado pelas vias apropriadas. Por ora, fica aqui o desafio ao diretor de jornalismo da Jovem Pan para mostrar evidências do emprego de um único centavo sequer de recursos públicos na organização e realização do evento. (…)

Cumpre observar que em relação ao item “d” acima, o jornalista Felipe Moura Brasil, até a presente data, não apresentou qualquer evidência do suposto uso de recursos públicos para a realização da referida reunião. E obviamente não apresentará, pois não existiu, o que evidencia o caráter desonesto, mentiroso e leviano das afirmações feitas pelo diretor de jornalismo da Jovem Pan em sua pseudo-reportagem.

O panfleto de Felipe Moura Brasil na Revista Crusoé rendeu-lhe a alcunha apropriada de Garoto de Recados de Rui Falcão, alcunha esta dada pelo professor Olavo de Carvalho. Pois seu panfleto travestido de texto jornalístico serviu de pretexto para que o velho comunista Rui Falcão pudesse apresentar requerimentos à CPMI das Fake News, convocando alguns dos participantes daquela reunião para prestarem depoimento à comissão.

Uma semana após a publicação da Revista Crusoé, o empresário Otávio Fakhoury publicou uma resposta no Crítica Nacional, no artigo EMPRESÁRIO OTÁVIO FAKHOURY RESPONDE A FELIPE MOURA BRASIL DA REVISTA CRUSOÉ, que pode ser lido nesse link aqui. Também na mesma semana, o Jornal Crítica Nacional abordou o tema em suas transmissões noturnas. O trecho mais relevante de uma dessas transmissões pode ser visto no vídeo abaixo. #CriticaNacional #TrueNews #RealNews


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE