por paulo eneas
A Folha de São Paulo, principal porta-voz oficioso da esquerda socialista brasileira, publicou matéria delirante e mentirosa neste domingo (23/02) a respeito de uma possível tentativa de derrubada do Ministro Meio Ambiente, Ricardo Salles, por parte do Ministro da Economia, Paulo Guedes. A matéria mentirosa e desonesta é assinada pelas jornalistas Danielle Brandt (@danybrant) e Talita Fernandes (@talitafernandes), ambas de viés claramente esquerdista, como toda a redação da Folha.

Segundo a matéria, Paulo Guedes teria trazido da Cúpula de Davos impressões supostamente negativas de investidores internacionais em relação à política ambiental do Governo Bolsonaro, o que teria levado a Ministro da Economia a empenhar-se numa empreitada pessoal para derrubar o Ministro do Meio Ambiente.

A mentira da Folha de São Paulo pode ser constatada na própria reportagem, onde as jornalistas afirmam que um dos motivos para investidores estrangeiros “segurarem investimentos” no Brasil seriam as supostas dúvidas quanto à política ambiental brasileira sob o Governo Bolsonaro.

A afirmação é mentirosa e sem pé nem cabeça. Pois desde o início do Governo Bolsonaro o Brasil tornou-se o quarto destino mundial de investimentos estrangeiros, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, China e Singapura. Segundo dados da OCDE, somente no primeiro semestre do ano passado, o total de investimentos estrangeiros diretos no País foi de U$28 bilhões, conforme mostra matéria do site Poder360, que pode ser vista nesse link aqui.

Diante desses dados, somados aos acordos firmados de investimentos com o Fundo Soberano da Arábia Saudita no valor de US$10 bilhões, entre outros, cumpre perguntar qual a motivação dessas duas jornalistas esquerdistas para produzir tal peça pseudo-jornalística mentirosa e desonesta e como esta que foi publicada pela Folha de São Paulo sob ares de jornalismo sério.

Em sua rede social, o ministro Ricardo Salles limitou-se a responder com uma risada. Por sua vez, o Ministério da Economia emitiu um comunicado oficial desmentindo a pseudo-notícia.

No entanto, mais do que desmentidos e risadas irônicas, entendemos que cabe aos ministros envolvidos tomar as medidas judiciais cabíveis ante tamanha fake news produzida não por engano, mas por visível má e intenção deliberada de mentir para o público usando o nome de duas autoridades do governo federal.