O Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, informou na última quinta-feira mais uma decisão acertada da política externa soberana brasileira do Governo Bolsonaro, levada a cabo com maestria pelo chanceler: o Brasil decidiu sair da CELAC (Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos), aparelho multilateral destinado ao apoio às ditaduras narco-comunistas latino-americanas de Cuba e Venezuela.

Em seu comunicado, o ministro afirmou que o Brasil decidiu suspender sua participação na CELAC porque o órgão não vinha tendo resultados na defesa da democracia ou em qualquer área. Ao contrário, servia e serve de palco para regimes não-democráticos como os da Venezuela, Cuba, Nicarágua. (publicado originalmente em 20/01/2020)


 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE