por angelica ca e paulo eneas
Um incêndio ocorrido último final de semana nos galpões onde estavam armazenadas as máquinas eletrônicas eleitorais na localidade de Filas de Mariche, na Venezuela, destruiu toda a infraestrutura física e tecnológica que o país utiliza em suas eleições. A destruição foi confirmada pela presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Tibisay Lucena.

Tibisay Lucena afirmou que o incêndio no armazém em Filas de Mariche queimou cerca de 542 computadores pertencentes ao registro eleitoral, 49.408 urnas, 400 cédulas eletrônicas, 22.434 inversores de corrente, 127.000 cédulas a serem incorporadas e 49.323 leitores de impressões digitais. Tibisay alega que o incêndio foi criminoso.

A presidente do equivalente venezuelano ao TSE brasileiro aproveitou-se do fato para insistir na defesa do sistema eleitoral da ditadura venezuelana, um sistema controlado pelos chavistas e sabidamente ilegítimo e sujeito a todo tipo de fraude, razão pela qual as últimas eleições venezuelanas, que resultaram na vitória do ditador Nicolás Maduro como “presidente reeleito”, não são reconhecidas internacionalmente.

Este é o segundo incêndio suspeito ocorrido em duas semanas nos armazéns do conselho eleitoral venezuelano na localidade de Filas de Mariche. O primeiro incêndio dias atrás ocorreu em estação telefônica estadual da CANTV.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE