por angelica ca e paulo eneas
O Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, publicou nesta quinta-feira (19/03) nota de repúdio e em resposta ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanming. Em sua nota, o chanceler brasileiro foi enfático ao afirmar que é “inaceitável que o Embaixador da China endosse ou compartilhe postagem ofensiva ao chefe de Estado do Brasil e aos seus eleitores”, conforme ocorrido nesta quarta-feira (17/03) em suas redes sociais. O chanceler qualificou a atitude do embaixador como desproporcional e afirmou que feriu a boa prática diplomática.

Ernesto Araújo ainda enfatizou que comunicou ao Embaixador da China a insatisfação do governo brasileiro pelo seu comportamento e que tem “expectativa de uma retratação da repostagem ofensiva ao Chefe de Estado do Brasil”.

O ministro afirmou que o governo brasileiro quer manter as melhores relações com o governo e o povo chinês na promoção de negócios e em benefícios recíprocos, porém sem deixar jamais de lado o respeito mútuo, afirmou Ernesto Araújo.

A nota da chancelaria brasileira vem no momento adequado, em meio a outra guerra de narrativa empreendida pelo estamento burocrático e por políticos covardes como Rodrigo Maia e João Doria, em torno do episódio em que Eduardo Bolsonaro diz a verdade sobre a responsabilidade criminosa da ditadura chinesa pela atual pandemia de coronavírus.

A nota da chancelaria também evidencia que, ao contrário de muitos políticos brasileiros, nossa diplomacia não é de bananinha nem é conduzida por covardes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE