O governador João Doria decidiu prosseguir seu ataque à economia do Estado de São Paulo e prorrogou por mais quinze dias a quarentena no Estado de São Paulo. A medida não encontra amparo legal e constitucional e muito menos fundamentação científica, como governador proto-ditador alega.

Além da prorrogação da medida ilegal que representará prejuízos gigantescos à economia do Estado com a perda de milhares de empregos e a quebra de inúmeros pequenos e médios negócios, a decisão do governador tucano paulista veio acompanhada da decisão igualmente ilegal e inconstitucional de mandar usar força policial para dispersar reunião de pessoas.

A Constituição Federal assegura a todos os brasileiros o direito de reunirem-se pacificamente em público, sem obstruir vias públicas, e não prevê a suspensão deste direito por conta de decisão arbitrária e infra-legal de governadores.

A extensão da quarentena por mais quinze dias representa um golpe de morte na economia do Estado e terá efeito zero na contenção da epidemia, como já vem demonstrando inúmeros epidemiologistas. O governador tucano paulista vem pautando suas ações unicamente pelo cálculo político e colocando em risco a vida, a segurança e os empregos de milhões de paulistas.