por paulo eneas
O governador tucano João Doria (PSDB-SP) mentiu a todos os brasileiros ao afirmar em entrevista nesta quarta-feira (08/04) que foi o médico David Uip quem teria sugerido ao Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o uso da cloroquina para tratamento da doença do vírus chinês. João Doria mente e insulta todos os brasileiros de São Paulo, ao inventar uma narrativa delirante em relação à propositura do uso do medicamento.

Todo brasileiro sabe que o uso da cloroquina foi sugerido pelo Presidente Bolsonaro já logo no início da epidemia. A convicção do presidente era tanta que ele ordenou ao Exército Brasileiro o aumento da produção do medicamento, tendo sido injustamente e covardemente atacado por isso. E foi atacado pela mesma grande imprensa que protege e defende João Doria, e que durante várias semanas fez chacota a respeito do uso do medicamento.

Além de mentir, João Doria age de maneira leviana, pois confessa agora que desde o início da epidemia omitiu dos brasileiros de São Paulo a verdade sobre o tratamento com a cloroquina e a sua eficácia, e o fez unicamente por motivações políticas. As mesmas motivações políticas o fizeram adotar medidas inconstitucionais que estão destruindo milhares de empregos e negócios no estado mais rico da federação.

O comportamento do governador paulista João Doria é um comportamento criminoso, que custou até agora a vida de algumas centenas de brasileiros acometidos pela COVID-19 e que não tiveram acesso ao medicamento. Esse comportamento não pode mais ser tolerado pelos paulistas, que estão vendo seus empregos e seus negócios serem destruídos por um governador psicopata que mente de maneira contumaz.

O Ministro Mandetta tem a obrigação de vir a público e falar a verdade, e desmentir a canalhice do governador paulista. Se o ministro não o fizer, precisa ser demitido sumariamente pelo Presidente Bolsonaro, abreviando assim a sua medíocre passagem pelo ministério. E João Doria precisa responder criminalmente por seus atos, e ser afastado do governo paulista por processo de impeachment.