Com receio de uma possível quebra da lei e da ordem e de distúrbios civis que possam acontecer em decorrência da pandemia do vírus chinês, a população da Hungria está procurando armar-se para garantir a segurança do comércio local e de suas famílias. Nas últimas semanas foi registrado um aumento substancial na compra de armas, munições e outros equipamentos de autodefesa.

De acordo com um proprietário de armas no país, eles venderam cinco vezes mais armas do que o normal para o mês de março. Um fenômeno semelhante foi relatado na República Tcheca, onde os fabricantes notaram recentemente um aumento de dois dígitos nas vendas e na demanda vertiginosa em comparação com qualquer outro período do ano.

Cerca de 300.000 pessoas possuem licenças para armas na República Tcheca e Hungria, ambos países com cerca de 10 milhões de habitantes cada. As licenças não são obrigatórias para algumas armas leves.