A Austrália aumentou a pressão sobre o regime comunista chinês neste domingo exigindo uma investigação internacional independente sobre as origens e a propagação do vírus chinês, que matou mais de 166.000 e já infectou mais de dois milhões de pessoas em todo o mundo.

A medida também inclui uma investigação sobre a gestão da pandemia pela Organização da Mundial da Saúde (OMS) que em meados de janeiro publicou em suas redes sociais que não foi encontrado evidências claras da transmissão de humano para humano do vírus chinês.

A ministra das Relações Exteriores Marise Payne afirmou que seu país insistirá em uma investigação independente  que envolva a resposta precoce da China ao surto do vírus em Wuhan. Marise Payne também declarou que a Austrália compartilha preocupações semelhantes às dos Estados Unidos, cujo presidente Donald Trump acusou a OMS de administrar mal a crise e encobrir a seriedade do surto do vírus chinês antes de se espalhar.

*Com informações de: https://www.thenational.ae/ e https://www.afp.com/